SAHEL ARMAN / AFP
SAHEL ARMAN / AFP

Taleban assume controle do Vale do Panjshir, última província onde enfrentava resistência

Vitória foi anunciada pelo porta-voz do grupo; oposição diz que vai continuar a lutar, mas reservadamente assume derrota

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de setembro de 2021 | 07h31
Atualizado 06 de setembro de 2021 | 14h36

CABUL — O Taleban informou, nesta segunda-feira, ter tomado o controle da província de Panjshir, último reduto de oposição ao grupo no Afeganistão. A disputa pelo domínio do local motivou uma escalada de conflitos entre a Frente Nacional de Resistência (FNR) e combatentes do movimento fundamentalista desde que as tropas americanas deixaram o país, no mês passado.  Os rebeldes negam oficialmente que a província tenha caído e convocaram os afegãos a resistir contra o Taleban. Apesar disso, nos bastidores, fontes dos opositores reconheceram a derrota para o Taleban ao jornal Washington Post.

Segundo testemunhas, milhares de combatentes do Taleban teriam invadido oito distritos de Panjshir durante a noite. O porta-voz do grupo, Zabihullah Mujahid, divulgou um comunicado dizendo que a província agora está sob seu controle. "Panjshir, que era o último esconderijo dos inimigos, foi capturada", disse. "Com esta vitória e os últimos esforços, nosso país saiu do redemoinho da guerra e nosso povo terá uma vida feliz em paz e liberdade."

Mujahid acrescentou que o grupo "tentou seu melhor" para resolver o conflito de forma pacífica. "Eles rejeitaram as negociações, então tivemos que enviar nossas forças para lutar", afirmou. Na semana passada, Ahmad Masud, um dos líderes da resistência na província, disse que o Taleban propôs dois cargos em seu futuro governo a membros da FNR. "Como queremos um futuro melhor para o Afeganistão, nem sequer consideramos a oferta." 

Masud disse em uma mensagem no Twitter que está seguro, mas não deu detalhes. Mujahid, do Taleban, disse ter sido informado que ele e o ex-vice-presidente Amrullah Saleh escaparam para o país vizinho, Tajiquistão. Já Ali Maisam Nazary, chefe de relações exteriores da FNR, afirmou que a alegação de vitória do Taleban é falsa e que as forças da oposição não foram vencidas. "A FNR está presente em todas as posições estratégicas do vale para continuar a lutar", disse ele em sua página no Facebook.

O Taleban garantiu à população de Panjshir, que é etnicamente distinta dos combatentes de maioria pashtun, que não haverá "ato discriminatório" contra ela. O porta-voz do grupo afirmou que um novo governo será anunciado em breve, mas não definiu uma data. Ele também disse que as mulheres voltarão ao trabalho nos setores de saúde e educação, e que "outras áreas serão fornecidas, uma a uma, assim que o sistema for estabelecido para elas."

Desde a sua volta ao poder, no final de uma ofensiva relâmpago que pegou o governo e a comunidade internacional desprevenidos, o Taleban tem tentado retratar uma imagem mais contida, com vários gestos de abertura. Eles prometeram, por exemplo, formar um governo "inclusivo", e nas últimas semanas multiplicaram seus contatos com personalidades afegãs que se opunham a eles, como o ex-presidente Hamid Karzai e o ex-vice-presidente Abdullah Abdullah.

Quanto aos direitos das mulheres — duramente reprimidos durante o primeiro regime do grupo, de 1996 a 2001 —, o Taleban disse que eles serão respeitados, desde que elas "cumpram as leis islâmicas". Eles também deram a entender que não haverá ministras no governo, e que a presença feminina será relegada a escalões inferiores.

O Taleban assumiu o controle da maior parte do Afeganistão há três semanas, assumindo o poder em Cabul em 15 de agosto, depois que o governo apoiado pelo Ocidente entrou em colapso e o presidente Ashraf Ghani fugiu do país.

A província de Panjshir, último bolsão de resistência armada contra o grupo islâmico, tem histórico de dificuldade para ser tomada. O vale montanhoso acidentado ainda está repleto de destroços de tanques destruídos durante a longa guerra contra a União Soviética na década de 1980.

A disputa no vale tem sido o exemplo mais proeminente de resistência ao Taleban no último mês. No entanto, algumas cidades também testemunharam pequenos protestos isolados pelos direitos das mulheres ou em defesa da bandeira verde, vermelha e preta da derrotada república afegã./Reuters e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.