REUTERS/Mohsin Raza
REUTERS/Mohsin Raza

Taleban do Paquistão lança revista para mulheres 'jihadistas'

O grupo, no ponto alto de sua influência no Paquistão, frequentemente lança publicações em urdu e inglês, esperando atrair recrutas para suas fileiras

O Estado de S.Paulo

01 Agosto 2017 | 16h21

ISLAMABAD - Os taleban do Paquistão lançaram nesta terça-feira, 1ª a primeira edição de uma revista feminina que  aparentemente tem a intenção de convencer suas leitoras a se unirem ao grupo para empreender a jihad.

A primeira edição de Sunnat E Khaula, publicada pelo movimento Taleban paquistanês (TTP), leva na capa a fotografia de uma mulher coberta dos pés à cabeça.

O nome da publicação pode ser traduzido como O caminho de Khaula, e faz referência a uma das primeiras mulheres seguidoras do profeta Maomé. 

Esta edição inclui uma entrevista com a mulher do líder do TTP - cujo nome não é especificado -, falando sobre o seu casamento com o chefe do grupo, Fazlullah Khorasani, quando tinha 14 anos.

Em referência aos casamentos de menores de idade, a mulher do líder diz ao entrevistador: "temos que compreender que as crianças e os jovens, se ficarem solteiros durante muito tempo, podem se tornar uma fonte de destruição moral para a sociedade".

"Queremos estimular as mulheres islâmicas a dar um passo à frente e se unirem às fileiras dos mujahidin (guerreiros santos) do Islã", afirma na abertura do editorial da revista, que inclui uma coluna de conselhos para mulheres potencialmente jihadistas.

"Organizem reuniões secretas em casa e convidem irmãs jihadistas com opiniões similares", sugere a coluna. "Distribuam livros que refletem a obrigação da jihad, organizem aulas de treinamento físico com suas irmãs. Aprendam a usar armas simples. Aprendam a usar granadas", aconselha.

A revista, escrita em inglês, também inclui um artigo de uma doutora paquistanesa que fala de sua decisão de negar a educação ocidental e abraçar o Islã, intitulado Minha viagem da ignorância à orientação.

Os taleban, no ponto alto de sua influência no Paquistão, frequentemente lançam publicações em urdu e inglês, esperando atrair recrutas para suas fileiras.

O grupo também está ativo no Facebook e Twitter, embora a maioria de seus perfis nas redes sociais tenha sido bloqueada.

O Exército paquistanês lançou uma ofensiva contra grupos insurgentes no noroeste do país no fim de 2014, depois que o Taleban atacaram um colégio gerido por militares e mataram mais de 150 pessoas, a maior parte crianças.

A segurança melhorou desde então, apesar de os taleban continuarem realizando ataques esporádicos. Em um deles, no mês passado em um mercado de Lahore, matou 26 pessoas.  / AFP 

Mais conteúdo sobre:
Paquistão Taleban

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.