Taleban e Afeganistão negociam paz com mediação saudita

CNN afirma que Arábia Saudita recebeu encontro de líderes insurgentes e governo afegão em setembro

Agências internacionais,

06 de outubro de 2008 | 09h49

Líderes do Taleban participam de negociações com o governo afegão mediadas pela Arábia Saudita para encerrar o conflito no país asiático, segundo fontes citadas pela CNN nesta segunda-feira, 6, que afirmam ainda que o grupo está rompendo seus laços com a Al-Qaeda. O diálogo, o primeiro do tipo numa tentativa de resolver o conflito no Afeganistão, marca um movimento significante da liderança saudita, recebendo delegações que até recentemente eram consideradas inimigas.  Na semana passada, o presidente afegão, Hamid Karzai, pediu ao rei Abdallah, da Arábia Saudita, para que ele auxiliasse nas conversas de paz com o Taleban. Karzai afirmou que sua intenção é encerrar o conflito no país. A Arábia Saudita foi um dos poucos países a reconhecer o governo taleban quando o grupo comandou o Afeganistão, nos anos 1990. Os islâmicos radicais foram derrubados em 2001. As negociações em Meca teria ocorrido entre 24 e 27 de setembro, e envolvido 11 delegados taleban, dois oficiais do governo afegão, um representante dos militantes mujahadeen e o inimigo americano Gulbadin Hekmatyar. Segundo a fonte citada pela CNN, o líder do Taleban Mulá Omar, um dos mais procurados do mundo, não estava presente no encontro de quatro dias na Arábia Saudita, mas seus representantes foram firmes em demonstrar que o clérigo não é mais um aliado da Al-Qaeda. Detalhes da separação do líder Taleban com a Al-Qaeda, grupo liderado por Osama Bin Laden, nunca foram a publico antes. Fontes próximas afirmam que as negociações atuais são fruto de dois anos de intensos bastidores, e pode ser o primeiro passo de um longo processo para discutir o fim do conflito., O governo afegão acredita que o Taleban não pode ser derrotado militarmente, e que os militantes acreditam que não podem vencer uma guerra contra a coalizão americana no país. O envolvimento saudita ainda é visto como uma expressão do temor de que o Irã possa tirar vantagem das falhas americanas no Afeganistão, como estaria fazendo no Iraque, aponta a CNN. Fontes afegãs familiares com atividades iranianas no Afeganistão afirmam que oficiais de Teerã e diplomatas estão investindo em negócios e construindo escolas para se aproximas de políticos em Cabul.

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoTalebanArábia Saudita

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.