Taleban está em 97% do Afeganistão, diz estudo

Metade do país está sob risco de ataque, e presença do grupo cresce em áreas antes pacíficas

11 de setembro de 2009 | 08h30

 

CABUL - Quase oito anos após os EUA derrubarem o governo do Taleban no Afeganistão, o grupo voltou a ocupar praticamente todos os cantos do país, segundo uma análise divulgada na quinta-feira, 10, pelo centro de estudos britânico International Council on Security and Development.

 

Veja também:

especial Especial: 30 anos de violência e caos no Afeganistão 

 

O Taleban age em 97% do território afegão, sendo que em 80% a presença de insurgentes do grupo é permanente. Em 2008, esse porcentual era de 72%, enquanto que em novembro de 2007, era de 54%. A análise identificou ainda que os militantes aumentaram suas ofensivas nos últimos meses no norte do Afeganistão - uma região que antes era considerada relativamente pacífica. Um mapa produzido pelo centro britânico mostra que quase metade do país está sob risco de ataque ou está sob "controle inimigo".

 

As informações vêm à tona num momento crítico para o Afeganistão, que enfrenta uma crise pós-eleitoral e um número recorde de baixas das tropas estrangeiras no país.

 

O impasse provocado pelas acusações de fraudes em massa nas eleições presidenciais do dia 20 ganhou um novo capítulo ontem. A Comissão de Reclamações - órgão de supervisão eleitoral patrocinado pela ONU - ordenou que os votos de 83 seções eleitorais fossem invalidados. Todas as seções ficam em áreas de forte apoio ao presidente Hamid Karzai.

 

A ordem foi dada no mesmo dia em que um grupo de monitoramento dos EUA denunciou que, em "um grande número de seções", houve comparecimento superior a 100%.

 

A eleição - inicialmente considerada um sucesso após o Taleban não prejudicar a votação - está se tornando uma verdadeira dor de cabeça para Washington, por ser um teste para a nova estratégia do presidente Barack Obama para derrotar os militantes e estabilizar o país.

Tudo o que sabemos sobre:
TalebanAfeganistão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.