Taleban está renascendo no exterior

A milícia fundamentalista Taleban, que governou o Afeganistão até o fim do ano passado, está renascendo no exterior. O anúncio foi feito hoje pelo ministro interino afegão das Relações Exteriores, Abdullah Abdullah. "Há tambémoutra organização, ainda não identificada, se reorganizando fora do país", acrescentou o ministro.A revelação aconteceu no momento em que militares americanos preparavam-se para interrogar o mulá Abdul Wakil Mutawakil - antigo titular da pasta de Abdullah no regime Taleban - que se rendeu hoje. Mutawakil é tido como um dos homens de confiança do líder religioso das milícias, o mulá Mohamed Omar.Abdullah garante não saber sob quais condições o Taleban estaria se reorganizando, mas levantou como forte hipótese de que as milícias teriam como novo endereço o vizinho Paquistão. "De qualquer forma, é inaceitável que o Taleban ainda possa teralguma capacidade de se reorganizar", avaliou.O ministro garantiu que na sexta-feira, quando esteve em visita a Islamabad, recebeu a garantia do governo paquistanês - antigo aliado do Taleban - de que os líderes do antigo regime seriam perseguidos no Paquistão.Embora o governo afegão tenha anistiado hoje 350 prisioneiros de guerra, Abdullah adiantou que o Taleban não terá espaço político para voltar ao país. "Ele não faz parte de uma solução. Nosso povo não aceitaria ter de volta estes criminososde guerra". Após se render, Mutawakil foi levado hoje, por funcionários do governo afegão, à base militar mantida pelos EUA no aeroporto de Kandahar. A prisão do ex-ministro taleban, avaliam osamericanos, poderia facilitar a localização do mulá Omar e de outros líderes de peso do Taleban.O raciocínio tem lógica. Mutawakil é tido como o mais graduado taleban a se entregar. Homem de confiança do antigo regime, ele era considerado um líder moderado que, especula-se, chegou a entrar em atrito com Omar por discordar da presença doterrorista saudita Osama bin Laden no Afeganistão. Transferência - Até hoje os EUA mantinham em seu poder apenas Abdul Salam Zaif, ex-embaixador das milícias do Paquistão. Segundo fontes ligadas ao governo americano, Mutawakil seria levado em breve à base americana de Guantánamo, em Cuba, onde os Estados Unidos mantêm 186 prisioneiros feitos entre o Taleban e a Al-Qaeda, a rede dirigida por Bin Laden.A confirmação de que o terrorista mais procurado do mundo teria sido morto, uma semana atrás, por um míssil disparado de um Predator - avião sem piloto controlado pela CIA - pode estar próxima. Hoje, o chefe do Estado-Maior Conjunto, Richard Myers, afirmou que 50 soldados americanos foram enviados para investigações em Zawar Khili (oeste do Afeganistão), onde um comboio da Al-Qaeda com líderes da rede, levando supostamenteBin Laden, foi atacado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.