Taleban executa segundo refém sul-coreano

Notícia foi dada por porta-voz do grupo; rede árabe transmite vídeo com supostas imagens dos detidos

Associated Press e Reuters,

30 Julho 2007 | 14h17

Um suposto porta-voz da milícia fundamentalista islâmica Taleban anunciou nesta segunda-feira, 30, que o grupo executou um segundo refém dos 23 missionários sul-coreanos seqüestrados inicialmente pelo grupo. De acordo com Qari Mohammad Yousuf, o homem foi assassinado porque o governo afegão não atendeu às exigências dos radicais.  Veja Também Taleban estende prazo para libertação Al Jazeera mostra vídeo de reféns sul-coreanos Assista ao vídeoO corpo ainda não foi localizado pelo governo, que disse não ter como confirmar a morte. No entanto, na semana passada, um porta-voz do grupo anunciou a morte de outro refém, e a informação foi confirmada horas mais tarde. Também nesta segunda-feira, a rede de TV catariana Al-Jazira transmitiu um vídeo com imagens que supostamente seriam dos detidos. A emissora não revelou como obteve a fita, e sua autenticidade não pôde ser verificada.  No vídeo, algumas das reféns sul-coreanas aparecem usando véus, como manda a lei islâmica imposta pelo Taleban. As missionárias são vistas em um ambiente escuro, em silêncio, com os olhos fechados ou olhando para o chão.  De acordo com a agência France Presse, um porta-voz do grupo disse que o refém foi assassinado porque os prazos impostos pelo grupo para a troca dos reféns por prisioneiros taleban não foram atendidos pelo governo afegão.  "Nós estabelecemos vários prazos, e o governo afegão não prestou atenção a eles. Por fim, às 20h30 de hoje, matamos um coreano de nome Sung Sin com tiros de AK-47", disse o porta-voz à AFP, referindo-se ao tipo de fuzil usado pelos insurgentes. Mais cedo nesta segunda-feira, o Taleban havia anunciado que iria ampliar por mais dois dias o prazo para a busca de uma solução para o seqüestro dos religiosos sul-coreanos, ocorrido no último dia 19 no Afeganistão, segundo Marajudin Pathan, governador da província de Ghazni. A notícia veio à tona horas depois de dois prazos impostos pelo Taleban terem expirado nesta segunda-feira.  No início da tarde no Afeganistão, um porta-voz da milícia fundamentalista islâmica havia anunciado que o grupo daria mais três horas, o que estenderia o prazo das 13 horas para as 16 horas locais (das 5h30 para as 8h30 em Brasília). Ainda assim, ele reafirmou que os reféns seriam mortos se militantes do grupo mantidos em prisões afegãs não fossem libertados. Mais tempo Pouco antes de anunciada a morte do refém, Pathan informou que os rebeldes aceitaram estender até a quarta-feira as negociações em torno do destino dos reféns.  Qari Yousef Ahmadi, que identifica-se como porta-voz do Taleban em contatos com a imprensa, confirmou que a milícia optou por estender o primeiro prazo desta segunda porque uma delegação do governo pediu mais tempo para negociar.  O Taleban exige que 23 prisioneiros ligados ao grupo sejam libertados de prisões afegãs. Na semana passada, o Taleban aceitou manter negociações para a libertação dos reféns depois de diversos prazos terem expirado. Um dos 23 reféns originais foi morto depois de um desses prazos terem expirado, mas as circunstâncias da morte são incertas. O corpo de Bae Hyung-kyu, missionário assassinado pelo Taleban no Afeganistão, chegou nesta segunda-feira na Coréia do Sul. A família declarou que pode atrasar o funeral até que os outros reféns sejam libertados.

Mais conteúdo sobre:
Afeganistãorefémsul-coreano

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.