Taleban faz proposta para que estrangeiros deixem país

A milícia fundamentalista islâmica Taleban apresentou neste sábado o que qualificou como "uma garantia legal" de que não intervirá em nações estrangeiras caso as forças internacionais presentes no Afeganistão se retirem do país asiático, aparentemente distanciando-se da posição da rede extremista Al-Qaeda. O Taleban "não tem como objetivo a interferência em assuntos internos de outros países e está pronto para dar uma garantia legal se as forças estrangeiras se retirarem do Afeganistão", diz uma mensagem do grupo enviada por correio eletrônico às redações de diversos veículos de comunicação.

RICARDO GOZZI, Agencia Estado

05 de dezembro de 2009 | 15h29

A declaração do Taleban não especifica quais seriam as garantias. Um porta-voz da milícia fundamentalista islâmica não foi encontrado para comentar a mensagem. A disposição do Taleban parece sinalizar um distanciamento entre a milícia e a rede Al-Qaeda menos de uma década depois de o grupo ter dado refúgio aos líderes da organização extremista responsável pelos ataques de 11 de setembro de 2001 contra os Estados Unidos.

A Al-Qaeda surgiu como uma rede pan-árabe disposta a lutar uma guerra santa global; já o Taleban restringiu durante anos suas atividades ao Afeganistão. Mais recentemente, a milícia desenvolveu laços com extremistas paquistaneses. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoTalebanAl-Qaeda

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.