Taleban lança ataques em série

Ofensiva de militantes armados com fuzis e explosivos contra prédios do governo afegão em Khost deixa 20 mortos

NYT, REUTERS E AP, CABUL, O Estadao de S.Paulo

13 de maio de 2009 | 00h00

Um dia após os EUA anunciarem a troca de comando no Afeganistão - uma das principais mudanças estratégicas em sete anos de guerra -, pelo menos 11 militantes do Taleban armados com fuzis e explosivos lançaram ontem ataques contra dois prédios do governo na Província de Khost, perto da fronteira com o Paquistão. A ofensiva deixou 20 mortos (incluindo 9 civis e policiais) e só foi debelada depois de sete horas de combates de rua, com uma contraofensiva de forças americanas e afegãs. Especial relembra os 30 anos de caos e violência no AfeganistãoSegundo o Ministério do Interior, o ataque taleban começou às 10 horas, quando um automóvel carregado de explosivos foi detonado diante da sede do governo local. Dois policiais e dois seguranças morreram na hora. Em seguida, perto do local da explosão inicial, nove militantes suicidas invadiram um prédio municipal. Antes, eles tentaram, sem êxito, entrar em uma delegacia vizinha, informou o governo de Cabul. Quatro dos taleban teriam detonado seus explosivos enquanto trocavam tiros com seguranças, na parte externa do edifício da prefeitura. Outros cinco conseguiram invadir o prédio, fazendo 20 funcionários reféns. Segundo um porta-voz do Pentágono, soldados americanos que participavam de um evento próximo da zona atacada escutaram as primeiras explosões. Com o alarme, os militares correram para o local. Ao final, todos os taleban foram mortos e os reféns, libertados.Testemunhas relataram que pelo menos um dos militantes disfarçava-se com uma burca - vestimenta que cobre a mulher da cabeça aos pés - e vários tinham uniformes do Exército afegão. Em meio ao caos, moradores de Khost tentavam fugir das explosões e da troca de tiros. A polícia resgatou corpos de 11 insurgentes. Em um outro incidente, autoridades do país acusaram o Taleban de envenenar estudantes de uma escola de meninas ao norte de Cabul.GUINADA ESTRATÉGICAA nova onda de ataques ocorre em um momento de mudança nos planos de Washington para vencer a guerra no Afeganistão. Em março, o presidente Barack Obama oficializou o nome do general Karl Eikenberry como novo embaixador dos EUA em Cabul. Eikenberry substituiu William Braucher Wood, nomeado por George W. Bush.Anteontem, o secretário de Defesa dos EUA, Robert Gates, anunciou a saída de David McKiernan do comando de operações no Afeganistão. Em seu lugar, assumiu Stanley McChrystal. Os motivos do afastamento até agora não foram revelados. Especula-se que sua defesa de um aumento de tropas superior aos 21 mil novos soldados prometidos por Obama tenha desgastado sua relação com o novo governo.Uma série de ataques semelhante à de ontem ocorreu em Khost em agosto, quando dez militantes tentaram invadir a base americana de Camp Salerno, uma das principais dos EUA no Afeganistão. Em janeiro, ataques coordenados do Taleban atingiram o Ministério da Justiça em Cabul.Nos últimos meses, porém, ataques de militantes islâmicos têm se tornado mais complexos e sofisticados. Segundo analistas, a evolução é resultado do intercâmbio entre insurgentes afegãos, militantes paquistaneses e membros da Al-Qaeda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.