Taleban liberta duas reféns sul-coreanas

Mulheres doentes serão entregues para membros da Cruz Vermelha no Afeganistão, mediadora nas conversas

Agências internacionais,

13 de agosto de 2007 | 10h02

O Taleban libertou duas reféns sul-coreanas pertencentes ao grupo de 21 missionários capturados há quase um mês na província afegã de Ghazni, confirmou um dos líderes tribais da região. As duas mulheres, que começaram a chorar assim que viram os agentes da Cruz Vermelha, saíram de um carro dirigido por um líder tribal e entraram num veículo da entidade humanitária. Elas não conversaram com os jornalistas que as aguardavam. A imprensa foi alertada sobre o local onde as reféns seriam entregues à Cruz Vermelha por um porta-voz do Taleban. As reféns foram entregues aos agentes numa estrada dez quilômetros a sudeste de Ghazni. O Ministério das Relações Exteriores da Coréia do Sul identificou as mulheres soltas como Kim Kyung-ja e Kim Ji-na. Segundo a imprensa sul-coreana, elas têm 37 e 32 anos de idade, respectivamente.   Depois de libertadas, as duas foram levadas a uma base militar dos Estados Unidos em Ghazni, onde soldados americanos as revistaram e permitiram que entrassem. Elas vestiam véus e levavam consigo mochilas.   As mulheres, que segundo o Taleban estariam doentes, estavam entre os 23 religiosos sul-coreanos seqüestrados pela milícia em 19 de julho.   O episódio representou o primeiro avanço desde o início da crise. Dois reféns foram executados nas primeiras semanas de seqüestro. Os seqüestradores tinham afirmado nesta segunda-feira, 13, que libertariam as duas reféns doentes às 16h (8h30 de Brasília) e as entregariam a representantes do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) em Ghazni. O CICV agiu como mediador nas conversas diretas entre uma delegação Taleban e sul-coreana, que começaram na sexta-feira passada na sede do Crescente Vermelho em Ghazni. Neste fim de semana, Abdullah Abu Mansoor, chefe militar insurgente na província de Ghazni, tinha indicado que o conselho supremo do grupo tinha dado sinal verde para libertar as duas mulheres "sem condições" como mostra de "boa vontade".   As duas sul-coreanas libertadas foram entregues na localidade de Arezoo, perto da cidade de Ghazni, informou uma testemunha.Segundo a fonte, as duas reféns "estavam chorando" e "não se encontravam em boas condições de saúde". As duas foram levadas de ambulância para a cidade de Ghazni para ser atendidas pelos médicos, acrescentou a testemunha. Seqüestro     Em 19 de julho, o Taleban seqüestrou 23 missionários sul-coreanos, na maioria mulheres, quando estes viajavam de ônibus pela perigosa rota que liga Cabul a Kandahar.   Para a libertação, o grupo exigiu a retirada de tropas sul-coreanas no Afeganistão, o que o governo de Seul já tinha anunciado para o final deste ano, e a libertação de vários de seus prisioneiros de uma prisão nos arredores de Cabul.   Dois dos reféns foram executados pelos seqüestradores depois que o governo se negou a atender suas exigências.   O seqüestro dos sul-coreanos é o maior de um grupo de estrangeiros no Afeganistão desde a queda do regime, em 2001.   Matéria ampliada às 13h30.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.