Taleban obriga hinduístas a usar amarelo

Os talebans afeganesdecidiram por decreto obrigar os hinduístas residentes no país ausarem roupas amarelas ou laranja e a colocarem sobre suas casasuma bandeira amarela. O ministério do Exterior da Índia protestouimediatamente contra a medida, que consideram dsicriminatóriacontra a minoria hinduísta no Afeganistão. A imprensa indiana indicou que o decreto "lembra muitoo tratamento dispensado aos judeus na Alemanha nazista". Segundo a agência United News of India (UNI), queassegura possuir uma cópia do decreto, o mesmo impõe aos homensvestir-se com suas tradicionais roupas religiosas de cor laranjae lhes proíbe o uso de turbante. Às mulheres foi imposto que devem cobrir-se totalmentecom um manto amarelo, com dois pequenos buracos na altura dosolhos. Além disso, o decreto determina que as famílias quepraticam a religião hinduísta coloquem um pano amarelo (queinternacionalmente é usado para assinalar a presença deinfecção) de pelo menos dois metros do lado de fora de suascasas. Também está proibida às famílias hinduístas aconvivência com os muçulmanos e, de agora em diante, elas nãopoderão construir novos templos religiosos. "Condenamos sem reservas estas disposições, queconstituem uma discriminação que prejudica as minorias",declarou o porta-voz da Chancelaria indiana, Raminder SinghJassal. "Trata-se de uma nova prova das orientações ideológicasretrógradas e inaceitáveis dos talebans, que justifica assanções impostas pela comunidade internacional ao regime doTaleban", acrescentou. A comunidade hinduísta no Afeganistão diminuiusensivelmente desde que os talebans tomaram o poder em Cabul em1996. Também hoje, como represália contra as sanções da ONU,os talebans ordenaram o fechamento dos escritórios das NaçõesUnidas em quatro cidades afeganes. As sanções impostas a Cabul se devem ao fato de ostalebans se recusarem a extraditar o terrorista saudita OsamaBin Laden, acusado pelos EUA de organizar sangrentos atentadosna África e no Oriente Médio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.