Abdullah Sahil/AP
Abdullah Sahil/AP

Taleban conquista sua maior vitória a 24 dias de retirada total dos EUA

Milícia capturou a cidade de Kunduz, um importante prêmio militar e político para o grupo, cuja ofensiva já invadiu e dominou 5 capitais de províncias e mais da metade dos 400 distritos

The New York Times, O Estado de S.Paulo

08 de agosto de 2021 | 18h16
Atualizado 09 de agosto de 2021 | 11h08

CABUL - O Taleban conquistou neste domingo, 8, um prêmio estratégico ao capturar a cidade de Kunduz, um crucial centro comercial do norte do Afeganistão, e, em seguida, invadir duas outras capitais regionais no mesmo dia. Kunduz é uma enorme vitória simbólica e a primeira grande cidade que cai sob o poder da milícia radical, cuja ofensiva aparentemente irreversível capturou cinco capitais de províncias em apenas três dias

A rápida queda das cidades afegãs hoje – incluindo Kunduz, Sar-i-Pul e Taliqan, todas capitais do norte – ocorre poucas semanas antes de as forças dos EUA concluírem a retirada total do Afeganistão, no dia 31. É um desafio crucial para o presidente Joe Biden, que nas últimas semanas insistiu que a retirada dos EUA continuaria, apesar dos avanços do Taleban.

Depois de varrer as áreas rurais do país, a campanha militar dos insurgentes mudou para um combate urbano brutal nas últimas semanas. Eles penetraram nos limites de grandes cidades como Kandahar e Lashkar Gah, no sul, e Herat no oeste.

A estratégia exauriu as forças do governo afegão e oprimiu as forças da milícia local que o governo usou para complementar suas próprias tropas, um movimento que lembra a guerra civil caótica e etnicamente dividida da década de 90.

Kunduz, capital da província com o mesmo nome, é um importante prêmio militar e político. Com uma população de 374 mil habitantes, é uma cidade comercial vital perto da fronteira com o Tajiquistão e um centro de comércio e tráfego rodoviário.

“Todas as forças de segurança fugiram para o aeroporto e a situação é crítica”, disse Sayed Jawad Hussaini, o subchefe de polícia de um distrito da cidade de Kunduz.

Os confrontos entre as forças do governo e os combatentes do Taleban continuavam ontem em uma pequena cidade ao sul da cidade, onde estão situados o quartel-general do Exército local e o aeroporto, disseram autoridades de segurança.

“Estamos muito cansados e as forças de segurança estão muito cansadas”, disse Hussaini. “Ao mesmo tempo, não recebemos reforços e as aeronaves não atingiram o Taleban a tempo.”

As forças de segurança, que se deslocaram para a cidade no início da manhã, começaram uma operação para expulsar os combatentes da cidade na noite de domingo, de acordo com autoridades de segurança.

Nos dois dias anteriores, o Taleban já havia conquistado duas outras capitais de província: Sheberghan, na Província de Jowzjan, no norte, e Zaranj, na Província de Nimruz, na fronteira entre o Afeganistão e o Irã.

Das cinco capitais de províncias que caíram até agora desde sexta-feira, Kunduz é de longe a mais significativa para o grupo. O Taleban apreendeu brevemente Kunduz em 2015 e novamente em 2016, ganhando o controle de uma província pela primeira vez desde a invasão das forças dos EUA em 2001. 

Ambas as vezes, as forças afegãs repeliram os insurgentes com a ajuda dos ataques aéreos dos EUA. Em um episódio, um helicóptero americano atacou por engano um hospital da ONG Médicos Sem Fronteiras em 2015, matando 42 pessoas. 

Kunduz também foi palco da rendição do Taleban em 2001, quando seu exército do norte - juntamente com combatentes estrangeiros – abandonou suas armas na sequência da invasão liderada pelos EUA e Reino Unido. 

A decisão do governo Biden em maio de retirar as tropas americanas duas décadas depois do que considera uma guerra invencível, provocou um colapso precipitado na segurança e uma ofensiva desenfreada do Taleban em todo o país.

Desde o início da retirada dos EUA, o Taleban capturou mais da metade dos 400 distritos do Afeganistão, de acordo com algumas avaliações internacionais. Seus ataques às capitais de província violaram o acordo de paz de 2020 entre o Taleban e os Estados Unidos. Sob esse acordo, que precipitou a retirada dos EUA do país, o Taleban se comprometeu a não atacar centros provinciais como Kunduz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.