Taleban ordena saída de estrangeiros

A milícia extremista muçulmana Taleban, que controla o Afeganistão, ordenou que os estrangeiros "saiam temporariamente" do país.O líder espiritual do Taleban, mulá Mohammed Omar, não deixou claros os motivos da medida, mas conclamou a população a uma "guerra santa" contra um ataque americano ao país.Omar não descartou retaliar países vizinhos que auxiliem direta ou indiretamente os Estados Unidos - um recado indireto para o Paquistão, que já ofereceu a Washington "colaboração total". A ordem para que os estrangeiros deixem o país foi divulgada em comunicado oficial do Ministério das Relações Exteriores. "Em vista da situação, pedimos que os estrangeiros deixem temporariamente o país", diz o lacônico texto. Embora não haja informação oficial sobre o número de estrangeiros atualmente no Afeganistão, acredita-de que todo o pessoal da Organização das Nações Unidas e de organizações não-governamentais já tenha abandonado o país. Omar voltou neste sábado a descartar qualquer ligação do terrorista Osama bin Laden, refugiado no país e tratado como "hóspede" pelo Taleban, com os atentados a Nova York e Washington.Para o líder do Taleban, Bin Laden não poderia ter planejado os atentados: "Aqueles que sacrificaram suas vidas tinham um objetivo pessoal. Não estavam sob as ordens de Osama." O governo do Taleban também foi enfático em seu recado aos países vizinhos. "Se ele (o país) permite que seu espaço aéreo seja usado para nos atacar, não podemos excluir atacá-lo também", ameaça um comunicado oficial de Cabul. A aliança de oposição que resiste ao Taleban, confinada em uma pequena faixa de território no norte do país, confirmou neste sábado a morte de seu principal comandante, Ahmad Shah Massud, vitima de um atentado no domingo. Massud, que nos anos 80 foi um dos estrategistas da resistência à ocupação do Afeganistão pela hoje extinta União Soviética, morreu na manhã deste sábado em Hodja Bahauddin,cidade do norte do país. Ele não resistiu aos ferimentos causados pelo atentado suicida de que foi vítima, cometido por dois homens que se fizeram passar por jornalistas. A Aliança do Norte, chefiada por Massud, anunciou ontem mesmo o nome de seu novo comandante. Trata-se do general Mohammed Fahim Khan, de 44 anos, que já havia assumido interinamente o posto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.