Taleban paquistanês retira oferta de negociação de paz

O Taleban Paquistanês retirou nesta quinta-feira sua oferta de conversações de paz após a morte do número 2 do grupo num ataque com aviões teleguiados norte-americanos, informou um porta-voz do grupo insurgente.

AE-AP, Agência Estado

30 Maio 2013 | 13h45

A informação representa um golpe para o governo eleito que deve ser liderado por Nawaz Sharif, que conquistou votos com promessas de trazer a paz ao país após anos de ataques realizados por militantes contra civis e as forças de segurança.

Ahsanullah Ahsan disse à Associated Press nesta quinta-feira, 30, em ligação telefônica de um local não divulgado, que o segundo no comando do grupo, Waliur Rehman, foi morto na quarta-feira após um ataque com aviões teleguiados numa área tribal paquistanesa, na fronteira com o Afeganistão. Autoridades paquistanesas disseram que pelos menos outros quatro militantes foram mortos no ataque.

O grupo militante havia declarado anteriormente que estava aberto a negociações de paz. Mas Ahsan afirmou hoje que o Taleban acredita que o governo aprova os ataques realizados pelos Estados Unidos, portanto, retirou sua oferta para conversações.

"Nós fizemos uma oferta para negociações de paz com o governo com boas intenções, mas achamos que esses ataques com aviões teleguiados são realizados com a aprovação do governo, então anunciamos o fim nas negociações de paz", disse ele.

O Taleban Paquistanês, formado no final de 2007, tem como objetivo derrubar o governo paquistanês, que segundo o grupo é muito alinhado com os Estados Unidos. Os militantes são responsáveis por centenas de tiroteios e ataques em todo o Paquistão, que resultaram em milhares de mortos.

No início do ano, o grupo havia dado indícios de que estava aberto à ideia de conversações de paz para encerrar os anos de confronto se algumas pessoas, dentre elas Nawaz Sharif, que por duas vezes foi primeiro-ministro, participassem das conversações.

As negociações não avançaram, mas a vitória do partido de Sharif na eleição de 11 de maio trouxe a questão para o primeiro plano. Dias após o resultado do pleito, Sharif, que deve assumir o cargo de premiê pela terceira vez, pediu negociações de paz com os militantes do Taleban e afirmou que a oferta do grupo deve ser levada a sério. As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
PaquistãoTaleban

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.