Taleban pede ajuda a nações islâmicas contra EUA

Os governantes talebans do Afeganistão pediram hoje às nações islâmicas ajuda para acabar com os ataques ao país dizendo que as ações militares norte-americanas são terroristas e ?uma violação contra todos os muçulmanos?. Em uma carta dirigida às 52 nações que participam da reunião de emergência da Organização para a Conferência Islâmica, no Catar, o ministro de Relações Exteriores do Taleban, Wakil Ahmed Muttawakil, pediu: ?Parem com esse trágico ataque promovido pela América. Este ataque é um aviso para todas as nações muçulmanas e para toda a região?.A carta condena os ataques ao Afeganistão promovidos no domingo e pela coalizão de apoio aos Estados Unidos e afirma que o fato de o presidente George W. Bush ter usado a palavra ?Cruzada? no mês passado mostra que os norte-americanos têm como alvo o Islã, não o terrorismo. ?Acreditamos que os ataques ao Afeganistão é um terrorismo de Estado como o cometido contra o Iraque e os Palestinos na tentativa de destruir o Islã?. O ministro menciona ainda que o Taleban se ofereceu para negociar, mas que Bush rejeitou a proposta dizendo, após os ataques, que o Taleban iria arcar com as conseqüências se não entregassem Osama bin Laden. A carta também diz que uma operação militar ?contra um soberano islâmico como o Afeganistão é contra as leis humanitárias mundiais?.Na reunião de Doha, no Catar, líderes muçulmanos questionaram se as evidências justificam os ataques ao Afeganistão ou se ?civis inocentes? estão sofrendo na guerra contra o terrorismo. O presidente da conferência, o emir xeque Hamad bin Khalifa Al Thani, do Catar, condenou hoje tanto os atentados contra os Estados Unidos quanto a retaliação, dizendo que esta deve se estender apenas aos responsáveis pelos atentados. As nações islâmicas também estão preocupadas com as notícias de que os ataques podem se estender a outros países. Apenas um país, o Paquistão, reconhece o Taleban como um governo legítimo no Afeganistão.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.