Taleban pede ajuda a nações islâmicas contra EUA

Os governantes talebans do Afeganistão pediram hoje às nações islâmicas ajuda para acabar com os ataques ao país dizendo que as ações militares norte-americanas são terroristas e ?uma violação contra todos os muçulmanos?. Em uma carta dirigida às 52 nações que participam da reunião de emergência da Organização para a Conferência Islâmica, no Catar, o ministro de Relações Exteriores do Taleban, Wakil Ahmed Muttawakil, pediu: ?Parem com esse trágico ataque promovido pela América. Este ataque é um aviso para todas as nações muçulmanas e para toda a região?. A carta condena os ataques ao Afeganistão promovidos no domingo e pela coalizão de apoio aos Estados Unidos e afirma que o fato de o presidente George W. Bush ter usado a palavra ?Cruzada? no mês passado mostra que os norte-americanos têm como alvo o Islã, não o terrorismo. ?Acreditamos que os ataques ao Afeganistão é um terrorismo de Estado como o cometido contra o Iraque e os Palestinos na tentativa de destruir o Islã?. O ministro menciona ainda que o Taleban se ofereceu para negociar, mas que Bush rejeitou a proposta dizendo, após os ataques, que o Taleban iria arcar com as conseqüências se não entregassem Osama bin Laden. A carta também diz que uma operação militar ?contra um soberano islâmico como o Afeganistão é contra as leis humanitárias mundiais?. Na reunião de Doha, no Catar, líderes muçulmanos questionaram se as evidências justificam os ataques ao Afeganistão ou se ?civis inocentes? estão sofrendo na guerra contra o terrorismo. O presidente da conferência, o emir xeque Hamad bin Khalifa Al Thani, do Catar, condenou hoje tanto os atentados contra os Estados Unidos quanto a retaliação, dizendo que esta deve se estender apenas aos responsáveis pelos atentados. As nações islâmicas também estão preocupadas com as notícias de que os ataques podem se estender a outros países. Apenas um país, o Paquistão, reconhece o Taleban como um governo legítimo no Afeganistão. Leia o especial

Agencia Estado,

10 Outubro 2001 | 11h21

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.