Taleban pede que afegãos boicotem eleições presidenciais

Extremistas islâmicos ameaçam bloquear estradas e atacar 'todas as instituições do governo'

Efe,

30 de julho de 2009 | 12h16

Os taleban do Afeganistão pediram nesta quinta-feira, 30, que os afegãos boicotem as próximas eleições presidenciais, previstas para 20 de agosto, e solicitaram que se juntem à "guerra santa" para eliminar a presença estrangeira no país. Em comunicado divulgado em língua pashtun em um site ligado ao grupo, os extremistas ameaçaram bloquear todas as estradas do Afeganistão e "atacar todas as instituições do governo afegão".

 

Veja também:

link Ameaças e falta de segurança podem afetar eleições afegãs

especialEspecial: 30 anos de violência e caos no Afeganistão 

blog Blog: Patrícia Campos Mello faz o diário do conflito no Afeganistão em seu blog  

 

"Para alcançar a independência, em vez de ir aos centros eleitorais falsos, o povo deve ir às trincheiras da jihad (guerra santa) e, mediante a resistência e a guerra santa, devem libertar o país dos invasores", afirma a nota. Os taleban qualificaram o processo eleitoral como um "truque" americano, e, além de sustentar que o pleito vai contra as tradições afegãs, disseram que o processo é apoiado e supervisionado econômica e militarmente pelos "invasores".

 

"Os taleban consideram este processo como um drama americano e pedem que os afegãos não participem (dele)", acrescenta o comunicado, onde há também referências contra o presidente afegão, Hamid Karzai.

 

Em 27 de julho, o governo afegão anunciou um acordo com os taleban da província afegã de Badghis pelo qual ambas as partes se comprometiam a um cessar-fogo temporário para possibilitar as eleições nos distritos mais conflituosos. As autoridades afegãs afirmaram, após o pacto, que se propunham a repetir o mesmo modelo nas outras regiões do Afeganistão, mas os taleban continuaram cometendo ações violentas.

 

Como uma mostra da gravidade da situação de segurança no país, o candidato à Vice-Presidência que concorre na lista de Karzai, Mohammed Qasim Fahim, sofreu um ataque insurgente no dia 26 no norte afegão, mas saiu ileso. Nos últimos meses, o próprio Hamid Karzai, que busca a reeleição, se mostrou disposto a negociar com os taleban moderados para que se integrem no processo político afegão, mas os insurgentes rejeitaram suas ofertas. "Todos os taleban deveriam se concentrar no fracasso do processo (eleitoral). Todo mundo deve evitar participar do processo", afirmou o grupo no comunicado divulgado.

 

Nas últimas semanas, as tropas internacionais mobilizadas no país mantiveram duros combates no sul do Afeganistão para garantir a realização do pleito em alguns dos redutos dos insurgentes.

Tudo o que sabemos sobre:
TalebanAfeganistão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.