Taleban promete soltar duas reféns

Sul-coreanas estariam doentes; militantes também anunciam intenção de libertar em breve os outros missionários

AP e Reuters, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2012 | 00h00

O Taleban anunciou ontem estar disposto a libertar ''''em breve'''' duas das missionárias cristãs sul-coreanas mantidas reféns pela milícia desde julho. Segundo Qari Yousef Ahmadi , um dos porta-vozes do grupo islâmico, o alto comando do Taleban decidiu libertá-las por estarem doentes. De acordo com a BBC, as reféns já teriam deixado o cativeiro, mas a Cruz Vermelha e o governo afegão não conseguiram confirmar a informação.Mais cedo, dois líderes taleban e quatro representantes do governo sul-coreano encontraram-se pelo segundo dia de negociações diretas sobre o caso dos reféns no escritório da Cruz Vermelha afegã, em Ghazni.''''Temos esperança de que esse assunto se resolverá até domingo (hoje)'''', disse o mulá Qari Bashir , negociador taleban, de acordo com o jornal espanhol El País. ''''Todos os sul-coreanos voltarão para suas casas.'''' Segundo Bashir, as negociações haviam avançado rapidamente na tarde de ontem e a perspectiva era de que os sul-coreanos seriam soltos a qualquer momento.O Taleban capturou 23 missionários de uma igreja evangélica sul-coreana - incluindo 18 mulheres - há três semanas. O seqüestro ocorreu na província afegã de Ghazni, quando o grupo viajava de ônibus da capital, Cabul, para a cidade sulista de Kandahar.O líder dos missionários, Bae Hyung-kyu, de 42 anos, foi morto com dez tiros na cabeça, costas e estômago. No final de julho, o corpo de um segundo refém morto, Shim Sung-min, foi encontrado com um tiro na cabeça em Arzoo, a 80 quilômetros do local onde ocorreu o seqüestro.DIÁLOGOAs negociações diretas com os representantes sul-coreanos tiveram início na sexta-feira, quando as conversas duraram quatro horas. Em troca dos reféns, o Taleban exigia a libertação de 21 militantes do grupo detidos em prisões afegãs. ''''O governo do Afeganistão e o da Coréia do Sul aceitarão a nossa oferta guiados por Deus'''', disse Bashir.Os negociadores sul-coreanos, porém, se mostraram mais cautelosos e um pouco menos otimistas em relação aos rumos das negociações. ''''A libertação imediata é extremamente desejável, mas não achamos que haja grandes possibilidades de isso ocorrer'''', afirmou em Seul uma autoridade sul-coreana, sob a condição de anonimato.Na madrugada de ontem, militantes taleban atacaram uma base militar americana no sul do Afeganistão pela segunda vez em uma semana. Os militantes utilizaram armas automáticas e explosivos. Durante a ação quatro taleban teriam morrido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.