Taleban realiza 2º dia de ataques suicidas no Afeganistão

Atentados contra comboio de militares deixam quatro civis mortos em Cabul

Agencia Estado

19 Junho 2007 | 11h05

Militantes do Taleban lançaram o segundo dia de ataques suicidas no Afeganistão neste sábado, matando pelo menos quatro pessoas na capital e em uma cidade do norte e aumentando as tensões em regiões que eram consideradas relativamente seguras. Um ataque suicida contra um comboio de militares e civis em Cabul matou pelo menos três civis e deixou cinco feridos no sábado de manhã, informaram o governo e a polícia. Horas depois, dois militantes em uma motocicleta atacaram um comboio militar em Mazar-i-Sharif, matando pelo menos um civil afegão e ferindo 15, disse uma autoridade local de segurança. Uma porta-voz militar sueca informou que o comboio era composto basicamente de soldados suecos e tinha alguns finlandeses e poloneses. Nenhum dos 30 soldados foi ferido, segundo ela. Um porta-voz do Taleban, que combate o governo afegão e seus aliados estrangeiros, disse que o grupo é responsável pelos ataques, que incluíram dois atentados suicidas na sexta-feira no sul e no centro do país. "Nossos muitos membros suicidas do Taleban estão presentes em todas as cidades do Afeganistão", disse à Reuters o porta-voz Zabi-u-llah Mujahid, em entrevista por telefone por satélite. "Vamos aumentar nossos ataques suicidas e de guerrilha... nos próximos dias", acrescentou. Com a confusão e o caos do dia, um soldado norte-americano disparou sua arma e feriu dois civis perto do local da explosão de Cabul, disse um porta-voz do Exército norte-americano. Um oficial de polícia disse que um dos civis morreu em decorrência dos ferimentos do incidente. Atentados suicidas e mortes de civis dos dois lados do conflito afegão estão aumentando as tensões e colocando em risco o apoio local às tropas estrangeiras. As forças de coalizão dos EUA e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) têm mais de 50 mil homens no Afeganistão e estão sendo pressionadas a reduzir as mortes de civis, depois que uma série de mortes gerou questionamentos quanto a suas táticas, como o bombardeio aéreo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.