AFP PHOTO / Noorullah Shirzada
AFP PHOTO / Noorullah Shirzada

Taleban reivindica ataque que teria derrubado avião militar dos EUA no Afeganistão

Grupo extremista diz que usou 'arma especial' para abater aeronave durante decolagem; Exército dos EUA confirma queda, mas nega que avião tenha sido atacado por combatentes do Taleban

O Estado de S. Paulo

02 Outubro 2015 | 11h08

CABUL - O Taleban afirmou nesta sexta-feira, 2, que foi responsável pela queda de um avião de transporte militar dos Estados Unidos durante a madrugada no aeroporto de Jalalabad, no leste do Afeganistão, no qual morreram pelo menos 12 pessoas, entre elas cinco soldados americanos.

"O avião de transporte americano foi derrubado em um ataque direto dos mujahedin durante a decolagem. Utilizamos uma arma especial, mas é um segredo militar e não podemos entrar em detalhes", disse o porta-voz taleban, Zabihullah Mujahid.

O porta-voz elevou o número oficial de 12 mortos no incidente para 15 "invasores" dos EUA e vários "soldados-marionete", como os insurgentes se referem aos militares afegãos. Mujahid afirmou que Taleban estava "monitorando de forma regular" o avião militar antes de derrubá-lo.

Um porta-voz militar dos EUA, o coronel Brian Tribus, afirmou anteriormente que, apesar de as causas do acidente serem desconhecidas, não há informações sobre a ocorrência de episódios violentos nos arredores do aeroporto em Jalalabad.

Além disso, Tribus especificou que os 12 mortos são 5 soldados dos EUA, 5 prestadores de serviço civis, cujas nacionalidades ainda são desconhecidas, e 2 civis afegãos.

Os cinco prestadores de serviço trabalhavam para a missão da Otan "Apoio Decidido", que conta com cerca de 4 mil militares no Afeganistão, e que se dedica a treinar e a auxiliar as forças de segurança afegãs. Os EUA, por sua vez, realizam uma operação de combate e "antiterrorista" que inclui 9.800 militares.

O avião acidentado é um modelo C-130 de quatro motores, fabricado pela Lockheed Martin e utilizado normalmente para transportar pessoal militar e cargas pesadas. / EFE

Mais conteúdo sobre:
Afeganistão EUA Taleban

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.