Taleban reivindica atentado que matou 30 no Paquistão

O Taleban reivindicou hoje a responsabilidade dos atentados de ontem contra escritórios da polícia e da agência de inteligência na cidade de Lahore, no leste do Paquistão, que deixaram pelo menos 30 pessoas mortas e mais de 300 feridas. Um grupo pouco conhecido, autointitulado Movimento Taleban no Punjab, também reivindicou o ataque. Não estava clara a relação entre esse grupo e o Taleban.

AE/AP, Agencia Estado

28 de maio de 2009 | 10h59

Hakimullah Mehsud, vice do chefe paquistanês do Taleban Baitullah Mehsud, disse que o atentado foi uma resposta à atuação militar no Vale do Swat, em uma ofensiva contra o controle dos militantes sobre a área no nordeste do país. Os militares do país lançaram uma grande ofensiva no Swat no mês passado, após o Taleban tomar o controle de um distrito vizinho, em uma investida para expandir sua influência. Washington e outros aliados ocidentais acreditam que a campanha é um teste para se saber o nível de determinação do governo local para conter os militantes.

Novo ataque - Também hoje, explosões no mercado Qissa Khawani em Peshawar, no norte do país, deixaram pelo menos quatro pessoas mortas e mais de 20 ficaram feridas, informou a emissora Dawn. As bombas usadas no ataque foram deixadas num carro e numa motocicleta estacionados em frente, disse o oficial de polícia Zarman Shah Khan. Até o momento, nenhum grupo reivindicou a autoria dessas explosões.

Peshawar é a principal cidade do noroeste paquistanês e fica próxima das regiões tribais sem lei perto da fronteira afegã, onde acredita-se que haja muitos militantes do Taleban atuando.

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoatentadoTaleban

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.