Taleban retira ministro paquistanês de lista de alvos

ISLAMABAD - O Taleban paquistanês anunciou nesta quarta-feira, 26, que retirou de sua lista de alvos de assassinato o ministro que oferece uma recompensa pela morte do diretor do filme que ridiculariza o Islã.

AE, Agência Estado

26 de setembro de 2012 | 13h57

 

O ministro de ferrovias do Paquistão, Ghulam Ahmed Bilour, foi criticado internacionalmente quando disse que dará $ 100 mil dólares para quem assassinar o diretor do vídeo "A Inocência dos Muçulmanos". O porta-voz do Taleban, Ahsanullah Ahsan, disse para a Associated Press que a atitude do ministro representa o "verdadeiro espírito do Islã" e por isso lhe foi concedida "anistia" da lista de possíveis alvos.

O produtor do filme, Nakoula Basseley Nakoula, é um egípcio copta de 55 anos. Ele já foi condenado por fraude nos Estados Unidos e atualmente está escondido com sua família. O trailer de seu filme foi postado no YouTube e causou a ira de milhares de muçulmanos em todo o mundo. Muitas manifestações resultaram em violência, a pior delas ocorrida em Benghazi, Líbia, que resultou na morte do embaixador norte-americano no país.

O governo do Paquistão e o próprio partido de Bilour distanciaram-se da oferta de recompensa, mas ele não recuou, inclusive pedindo que a Al-Qaeda e o Taleban contribuam na "nobre causa" de eliminar o diretor. As informações são da Dow Jones e Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
PAQUISTÃOTALEBANRECOMPENSA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.