Taleban se prepara para nova fase da ofensiva dos EUA

O Taleban, milícia que controla a maior parte do território do Afeganistão, está se preparando para a segunda fase da ofensiva dos Estados Unidos, na qual as forças especiais norte-americanas ingressariam - se é que já não o fizeram - no país, para operações contra líderes como o mulá Mohammed Omar e pessoas ligadas ao milionário saudita Osama bin Laden. Notícias fragmentadas que chegam do Afeganistão indicam, pela primeira vez, que estariam ocorrendo desentendimentos entre o Taleban e os seguidores de Bin Laden, acusado pelos Estados Unidos de ser o autor dos atentados de 11 de setembro contra o World Trade Center, em Nova York, e o Pentágono, em Washington. Não houve confirmação dos rumores referentes à presença no Paquistão de líderes moderados do Taleban, mencionada nesta terça-feira em diversas ocasiões pelo secretário de Estado dos EUA, Colin Powell, e pelo presidente paquistanês, Pervez Musharraf, durante a conversa entre os dois em Islamabad, o que significa que algo pode estar acontecendo. Por enquanto, os bombardeios parecem ter unido o Taleban e as tribos da etnia pashtu - estejam estas em território afegão ou paquistanês - em torno do mulá Omar, o líder espiritual. Fontes das áreas tribais paquistanesas afirmam que "milhares" de jovens pashtus, etnia majoritária no Afeganistão e com forte presença no Paquistão, estão "prontos" a partir para o combate junto ao Taleban. De acordo com as fontes, "pelo menos 8.000 combatentes" estariam prontos para atravessar a fronteira por duas das principais vias tribais - o Passo Khyber e Mohamand. Em outras áreas tribais, como a de Bajaur, teriam sido recolhidos 3 milhões de rúpias (equivalente a US$ 500,000) e 40 quilos de ouro para financiar o esforço bélico. O Taleban é formado em grande parte por ex-militares afegãos que combateram contra a guerrilha para os regimes comunistas apoiados pelos soviéticos durante os anos 80, além de ex-guerrilheiros especializados em emboscadas e combates corpo a corpo. Os voluntários de etnia pashtu pertencem a este segundo tipo de combatentes. São pessoas que manejam armas de fogo desde a adolescência e as usam em freqüentes confrontos tribais. O mulá Omar teria pedido aos voluntários que aguardassem até o início da ofensiva terrestre dos EUA, imaginada pelo Taleban como similar à empreendida pelos soviéticos. Porém, a informação disponível indica na direção de uma guerra fora dos padrões convencionais a ser empreendida pelas forças especiais, dotadas de armas sofisticadas, algo muito diferente do cenário para o qual o mulá Omar está preparando seus combatentes. O Taleban terá de enfrentar ainda um inimigo interno: a chamada Aliança do Norte, integrada por uma coalizão de diversas etnias que lutaram contra a invasão soviética nos anos 80. Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.