Taleban teria destruído Budas antiquíssimos

A milícia religiosa Taleban já destruiu completamente duas gigantescas estátuas de Buda esculpidas em rocha no centro do Afeganistão, informaram neste domingo funcionários humanitários internacionais, apesar de desesperados apelos do exterior para que fossem poupadas as preciosas relíquias dos séculos três e cinco. A destruição foi ordenada no final do mês passado pelo Taleban - islâmicos radicais que governam a maior parte do Afeganistão e dizem que as estátuas incitam à idolatria.Apesar dos protestos internacionais, o Taleban aparentemente destruiu completamente as duas estátuas, uma delas considerada a mais alta do mundo de um Buda de pé. O ministro do Exterior do Taleban, Wakil Ahmed Muttawakil, disse ao secretário-geral da ONU, Kofi Annan, durante um encontro neste domingo no vizinho Paquistão, que não havia sobrado nada das estátuas, segundo funcionários de agências humanitárias internacionais que participaram da conversação. Numa entrevista coletiva após a conversa, Annan recusou-se a confirmar a destruição total dos Budas, mas disse que Muttawakil o informou de que "todas as estátuas móveis foram destruídas", referindo-se a monumentos menores de Buda. A destruição dos dois gigantescos Budas foi confirmada por autoridades talebans no sul do Afeganistão e por um funcionário humanitário que disse ter sido informado por testemunhas na região. O funcionário afirmou que as estátuas foram reduzidas a destroços ao pé da montanha onde elas estiveram por séculos, acrescentando que o ministro da Defesa do Taleban supervisionou a destruição. "A destruição foi feita profissionalmente", disse ele. A estátua maior, de cerca de 51 metros, foi explodida na quinta-feira, e a menor, de uns 36 metros, foi destruída no dia seguinte. Tem sido impossível confirmar independentemente as notícias já que o Taleban não permite que ninguém vá à região do Vale de Bamiyan, onde estão as estátuas. Depois da reunião com Annan, foi perguntado ao ministro do Exterior do Taleban se a demolição havia sido concluída. "Não deve ter sobrado muita coisa", respondeu ele a repórteres. "Isso é um edito religioso totalmente interno que tem sido excessivamente exagerado no mundo exterior", afirmou Muttawakil numa entrevista coletiva.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.