Talebans escrevem para Bush

Um enviado do regime afegão do Taleban entregou uma carta destinada ao presidente George W. Bush, em uma tentativa de melhorar as relações entre EUA e Afeganistão. A carta não faz referências a Osama bin Laden, o terrorista protegido pelos talebans. Sayed Rahmatullah Hashimi, o enviado afegão aos EUA, deu pela primeira vez a explicação oficial das razões pelas quais os talebans decidiram destruir as estátuas gigantes de Buda em Bamiyan. Segundo explicou Rahmatullah em uma entrevista ao New York Times, foi um gesto de indignação decidido depois que uma delegação da União Européia (UE) e um enviado da Unesco ofereceram dinheiro para preservar as obras de arte, mas nada para a população que sofre de fome. "Quando teus filhos morrem diante de ti não te interessam as obras de arte", disse ao jornal o enviado do mulá Omar, o líder dos talebans. A versão, no entanto, foi rejeitada pelo porta-voz do Departamento de Estado, Richard Boucher. "A verdadeira pergunta é o que os talebans estão fazendo pelo povo afegane, disse Boucher. Parece que estão fazendo muito pouco, além de oprimir a população". Quanto à carta dirigida a Bush, segundo Boucher ela "não contém proposta específica em resposta às preocupações internacionais sobre terrorismo e outros temas referentes aos talebans".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.