Talebans são acusados de massacrar 300

Um grupo de direitos humanos defendeu nesta segunda-feira a abertura de inquérito sobre uma possível matança de cerca de 300 muçulmanos xiitas por parte dos talebans na província de Bamiyan, na região central do Afeganistão. Citando testemunhas, o Human Right Watch (HRW), de Nova York, afirmou que tropas talebans fuzilaram 300 homens depois de capturá-los na cidade de Yakaolang, em janeiro. O Taleban nega a acusação. De acordo com o HRW, há um vídeo mostrando duas covas coletivas na área. A ONU também afirmou ter documentos que comprovam o crime, mas estimou o número de mortos em 100. Várias vítimas seriam afegãos que trabalhavam para organizações humanitárias. O HRW pediu para que a ONU realize uma rápida investigação do caso. "É importante que a investigação seja conduzida por uma pequena equipe de especialistas o mais rápido possível, antes que as evidências desapareçam", afirmou o grupo em um comunicado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.