Tapete com símbolos húngaros leva polêmica à União Europeia

Carpete com mapa da 'Grande Hungria' não vai na direção de 'futuro comum europeu', dizem críticos.

BBC Brasil, BBC

15 de janeiro de 2011 | 20h21

Hungria diz que obra tem seus símbolos históricos e culturais

Um tapete gigante instalado em Bruxelas pela Hungria, para comemorar o início de seus seis meses na presidência da União Europeia, desencadeou acusações de nostalgia nacionalista contra Budapeste.

O tapete inclui, entre outros símbolos, um mapa de 1848 da Grande Hungria, quando Budapeste tinha poder sobre grande parte de seu território vizinho, onde hoje estão países como Romênia e Eslováquia.

A parlamentar europeia Ulrika Lunacek, da Áustria, disse que o mapa mostrava a intenção húngara de "superar o Tratado de Trianon", de 1929, quando o país perdeu dois terços de seu território.

"A visão (do premiê húngaro Viktor) Orban não vai na direção de um futuro comum europeu. É também uma interpretação errada dos atuais desafios da UE", disse Lunacek.

Budapeste negou as acusações. "O tapete é basicamente uma linha do tempo de símbolos e imagens culturais, históricas e científicas da Hungria", disse um porta-voz do governo húngaro na UE.

Símbolos

O tapete, de 202 metros quadrados, foi colocado pelo governo húngaro no pátio do quartel-general da UE, onde autoridades dos 27 países-membros realizam seus encontros.

A obra foi feita pela artista Livia Papai e aprovada por Budapeste. Mostra reis, compositores e cientistas húngaros. Mas o que causa mais polêmica é o mapa de 1848.

Ioan Mircea Pascu, parlamentar da Romênia, disse que "a importância dada à 'Grande Hungria' não é o símbolo mais inspirado para a presidência húngara da UE".

"Gestos como esse podem estimular reações nacionalistas dentro do bloco, num momento em que este precisa de solidariedade", agregou.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.