Taro Aso é eleito primeiro-ministro do Japão

Ex-ministro de Relações Exteriores venceu as eleições para presidente do Partido Liberal-Democrata

Efe,

22 de setembro de 2008 | 05h14

O ex-ministro de Relações Exteriores Taro Aso foi eleito nesta segunda-feira, 22, presidente do Partido Liberal-Democrata (PLD). Ele pode ser nomeado nesta quarta-feira pelo Parlamento novo chefe do Governo do Japão. Como se esperava, Aso, 68 anos, venceu com comodidade seus 4 oponentes e será o substituto de Yasuo Fukuda, 72, que no dia 1º anunciou sua decisão de renunciar como primeiro-ministro. Taro Aso obteve 66,6% dos votos, um total de 351 dos 527 dirigentes do PLD com direito a emitir sufrágio nestas eleições internas. Esta é a terceira vez em apenas dois anos que o PLD designa em uma votação interna o primeiro-ministro do Japão, depois que os governos de Shinzo Abe e Yasuo Fukuda duraram apenas um ano cada um. Prevê-se que Aso dissolverá em breve a Câmara de Representantes, onde o bloco governamental tem maioria, e antecipará o pleito geral, que deveria acontecer dentro de um ano, para final de outubro ou começo de novembro. "Minha tarefa é responder às preocupações do povo japonês e não há outro partido mais que o PLD que possa fazê-lo. Por enquanto não cumpri minha missão, eu o farei quando vencermos a oposição do Partido Democrático", disse Aso em uma curta mensagem aos seus correligionários. Um total de 527 dirigentes do PLD, deles 386 parlamentares e 141 representantes provinciais, tem direito a voto neste pleito interno, entre eles os ex-primeiros-ministros Abe, Fukuda e Junichiro Koizumi, o último eleito nas urnas no Japão. No final, Aso obteve nesta segunda o apoio de 217 legisladores e 134 delegados regionais, um total de 351 votos frente a apenas 66 sufrágios do segundo candidato mais votado, o atual ministro da Economia Kaoru Yosano, 70. Em terceiro ficou a ex-ministra da Defesa Yuriko Koike, com 46 votos, a primeira mulher que aspirava a governar no Japão, seguida por Nobuteru Ishihara, filho do prefeito de Tóquio, com 37 sufrágios, e o também ex-titular da Defesa Shigeru Ishiba, com apenas 25 sufrágios. Dois votos foram nulos. Com cinco candidatos, estas foram as eleições internas mais movimentadas do PLD desde 1970 embora se dava certa a vitória do ex-ministro de Relações Exteriores. O PLD é a força política que governa o Japão por mais de meio século, desde 1955, salvo um curto parêntese inferior a um ano entre 1993 e 1994.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.