Tartaruga gigante de Galápagos se esforça para ser pai

Mesmo após deixar conservacionistas boquiabertos ao copular pela primeira vez em décadas, uma tartaruga macho gigante das ilhas de Galápagos chamada Lonesome George (ou George Solitário), a última de sua espécie, possivelmente não será pai desta vez. George, de 90 anos e uma das criaturas mais raras do mundo, acasalou com duas fêmeas neste ano, mas 80 por cento dos ovos são inférteis. As fêmeas são de espécies diferentes de tartaruga gigante. Durante 36 anos de cativeiro, George demonstrou pouco interesse sexual. Sua nova descoberta pela libido tem aumentado esperanças de que ele pode salvar sua subespécie da extinção. Cientistas equatorianos estão estudando os ovos e não descartam a possibilidade de George ser estéril. "Estamos confusos. Vamos deixar os ovos em incubadoras e tentar encontrar as respostas", disse Washington Tapia, membro da equipe do programa de reprodução de George. "É muito cedo para dizer se George é infértil, apenas uma pesquisa genética pode nos dizer isso", disse. No entanto, esperanças não estão perdidas. Cientistas disseram que os 20 por cento restantes dos ovos ainda podem produzir. A incubadora que guarda os ovos de George foi decorada com imagens religiosas, à espera de um milagre. Cientistas estão também procurando parentes distantes do animal em uma ilha próxima, esperando encontrar outro macho para o acasalamento. Variações entre tartarugas de ilhas diferentes são uma característica de Galápagos, que ajudou Charles Darwin a formular sua Teoria da Evolução no século 19. Desde então, tartarugas têm sido caçadas por piratas e marinheiros por causa de sua carne, e o seu habitat tem sido invadido por cabras que foram introduzidas às ilhas. George foi a última tartaruga encontrada na região de Pinta, em 1971. O Equador declarou as ilhas sob risco, e as Organizações das Nações Unidas (ONU) disseram que os esforços para protegê-las devem continuar. Cerca de 20 mil tartarugas gigantes estão vivas nas ilhas Galápagos. (Reportagem de Alonso Soto)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.