Tasso: política monetária deve ter "molho político"

O Banco Central deve "dar um molho político" à condução da política monetária, disse nesta segunda-feira em Davos o governador do Ceará - e possível candidato à Presidência -, Tasso Jereissati (PSDB). Mostrando estar desinformado sobre os detalhes do projeto de autonomia operacional que o presidente do Banco Central, Armínio Fraga, vem articulando, Tasso atacou também a independência do BC. Em conversa com a imprensa, ele defendeu uma política econômica com juros menores, menos aperto fiscal e mais política industrial. Tasso disse que ainda não é candidato, mas falou como um postulante à Presidência, com respostas na ponta da língua sobre os principais temas da política econômica nacional, além de ter observado que o governo de Fernando Henrique Cardoso está entrando "nos momentos finais". Em um pequeno lapso, Tasso disse que vai pedir a um economista para estudar a questão da poupança interna no Brasil - o que dificilmente estaria entre as prioridades de um governador nordestino.Ele veio a Davos a convite da Fundação Kennedy, da Universidade de Harvard, da qual participa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.