Técnicos seqüestrados no sul das Filipinas são resgatados

O grupo Abu Sayyaf é acusado de alguns dos ataques mais sangrentos dos últimos anos no país

EFE,

19 de julho de 2008 | 02h52

As forças de segurança das Filipinas recuperaram dois técnicos de uma companhia de telefonia celular seqüestrados há três dias no sul do arquipélago pelo grupo radical islâmico Abu Sayyaf, informaram fontes militares. Uma equipe com homens da Polícia e do Exército invadiu na noite de quinta-feira, o esconderijo dos seqüestradores, na aldeia de Mohammad Adjul, na ilha de Basilan. Ambos os funcionários da operadora Globe foram detidos na quarta-feira, próximo ao povoado de Tuburan, em Basilan. Os militares filipinos admitem que o Abu Sayyaf continua sendo uma ameaça no sul do arquipélago, apesar das forças de segurança terem enfraquecido sua capacidade operacional e logística, e cortado suas vias de financiamento do exterior. Fundado em 1991, por ex-combatentes da guerra do Afeganistão contra a União Soviética, o Abu Sayyaf está ligado a Jemaah Islamiah, considerada o braço da Al Qaeda no Sudeste Asiático. Considerado um grupo terrorista pelos Governos das Filipinas e Estados Unidos, o Abu Sayyaf é acusado de alguns dos ataques mais sangrentos dos últimos anos no país, além de inúmeros seqüestros de locais e estrangeiros.

Tudo o que sabemos sobre:
SEQÜESTROfilipinas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.