Tecnologia coreana evoluiu, diz Japão

Pyongyang reforça discurso de confronto com EUA e aliados

AP e Reuters, TÓQUIO, O Estadao de S.Paulo

09 de abril de 2009 | 00h00

O porta-voz do governo do Japão, Takeo Kawamura, advertiu ontem que o "espetacular" lançamento do foguete no domingo demonstra que Pyongyang obteve progressos no desenvolvimento de tecnologia balística. Ele fez a avaliação com base em um vídeo do lançamento divulgado ontem pela TV estatal norte-coreana. "Podemos dizer que foi o lançamento mais avançado visto até agora", disse. Veja imagens do lançamento do foguete exibidas pela televisão coreanaO suposto lançamento de um satélite de comunicações pela Coreia do Norte teria servido para encobrir um teste do míssil de longo alcance Taepodong-2, acusa Japão, Coreia do Sul e potências ocidentais. Também ontem, o Exército da Coreia do Norte acusou o Japão de tentativa de espionagem. Segundo nota divulgada pela agência de notícias oficial de Pyongyang, Tóquio teria mobilizado diversos navios de guerra para tentar resgatar os destroços do artefato que caíram no mar, no que chamou de "ato militar provocativo e intolerável", que infringiria a soberania norte-coreana.Pyongyang ainda ameaçou tomar "medidas fortes" caso o Conselho de Segurança (CS) da ONU aprove medidas para punir o país pelo lançamento. O isolado regime comunista de Kim Jong-il sugeriu que pode abandonar as negociações de seis partes - com EUA, Japão, Coreia do Sul, Rússia e China - e retomar as atividades de uma usina que produz bombas de plutônio.Apesar da retórica agressiva de Pyongyang, o CS dificilmente conseguirá aprovar as sanções econômicas e o embargo de armas pedidos por Japão e EUA. A China, com poder de veto no CS, aceitou na terça-feira a versão oficial de que o lançamento do foguete não teve fins militares e defende o direito de Pyongyang de desenvolver tecnologias pacíficas. A Rússia, outro país com poder de veto, alertou que a ameaça de sanções contra o regime de Kim é "contraproducente". Questionado por que o CS ainda não deu uma resposta ao lançamento, o porta-voz do Departamento de Estado americano, Robert Wood, disse que há "algumas diferenças de opinião". "Isso não é uma coisa que possamos esperar que se resolva imediatamente", disse.CELEBRAÇÃOO governo norte-coreano organizou ontem uma grande manifestação popular, que contou com a presença das principais autoridades militares e do Partido dos Trabalhadores (comunista) para comemorar o "sucesso" do lançamento do satélite. O governo divulgou imagens da Praça Kim Il-sung lotada pela população."Os imperialistas e reacionários que cometeram vários atos para nos perseguir e isolar serão encurralados em um canto ainda menor por causa do lançamento de nosso satélite", disse Choe Tea-bok, líder do Partido dos Trabalhadores, em discurso. A celebração popular ocorreu um dia antes do encontro anual da Assembleia Suprema do Povo, que hoje (ontem à noite em Brasília) reelegeu Kim, de 67 anos, para o terceiro mandato como presidente da Comissão de Defesa Nacional. O lançamento e a comemoração serviram para aumentar a popularidade de Kim internamente.ADVERTÊNCIAChoe Tea-bokLíder do Partido dos Trabalhadores da Coreia do Norte"Os imperialistas e os reacionários que cometeram todo tipo deato para nos perseguir e isolar serão encurralados em um canto ainda menor por causa do lançamento de nosso satélite"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.