Teerã busca apoio do D8 para desenvolver tecnologia nuclear

O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, buscará o apoio do D8 (oito países muçulmanos emergentes) para desenvolver tecnologia nuclear pacífica, na cúpula que começa nesta sexta-feira na ilha de Bali, na Indonésia.Durante sua visita a Jacarta, Ahmadinejad afirmou que não renunciará a seu programa nuclear, e se mostrou convencido de que conseguirá aliados para sua proposta."Achamos que todos os países independentes nos apoiarão", disse o presidente durante uma entrevista transmitida nesta sexta pela rede de televisão local SCTV.A Indonésia, o país com a maior comunidade muçulmana do mundo, anunciou que pressionará a aprovação de uma resolução favorável ao desenvolvimento energético nuclear com fins pacíficos durante a cúpula do D8.O arquipélago é o único país do sul da Ásia membro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), e teve sua produção de petróleo reduzida em 5% na última década.Os especialistas calculam que as reservas petrolíferas da Indonésia se esgotarão em menos de dez anos, e a aposta mais forte para o futuro parece ser a energia nuclear."A Indonésia sabe que seu petróleo terá acabado em 2015, e quer apostar também na energia nuclear, por isso, apóia o Irã", disse Agus Salim, diretor do departamento de ciências naturais da Universidade Islâmica Nacional (UIN)."Energias renováveis como o biodiesel ainda não estão maduras, não podem funcionar nos motores atuais a menos que misturadas com gasolina", acrescentou.Minimizando os riscos mortais, outros países emergentes asiáticos, como a China e a Índia, têm se posicionado claramente a favor da tecnologia nuclear para abastecer sua crescente demanda energética e reduzir a dependência externa."Estamos defendendo também nossa liberdade e independência", disse Ahmadinejad durante a entrevista.No entanto, o presidente iraniano disse que seu país continua aberto a negociações sem ameaças."Se alguém aponta uma pistola na sua cara e o faz falar, o que faria? Alguns países têm uma ética perversa e são muito arrogantes", acrescentou Ahmadinejad.Os Estados Unidos e seus aliados propuseram ao Conselho de Segurança da ONU uma resolução que inclui sanções ao Irã caso não interrompa imediatamente seu programa nuclear.O governo de Teerã anunciou há um mês que tinha conseguido enriquecer urânio até um grau de pureza de 3,6%, suficiente para uma usina nuclear, e está investindo agora na produção em escala industrial.A ONU ainda não tomou uma decisão, mas Ahmadinejad já disse que o respeito de seu país à resolução dependerá de a medida estar conforme a legislação internacional."Se as Nações Unidas tomarem uma decisão de acordo com as leis internacionais, uma solução que seja apta, nós cooperaremos", disse o presidente iraniano à SCTV."Se a decisão não estiver em linha com esta (legislação internacional), o Irã não ouvirá", advertiu.Além da polêmica envolvendo a energia nuclear, que se tornou no assunto central da cúpula, o grupo dos D8 debate entre esta sexta e sábado estratégias de cooperação e desenvolvimento econômico.Bangladesh, Egito, Indonésia, Irã, Malásia, Nigéria, Paquistão e Turquia prevêem assinar a criação de uma zona de comércio preferencial, assim como um acordo multilateral de assistência administrativa em assuntos relativos às fronteiras.O presidente da Indonésia, Susilo Bambang Yudhoyono, realizará também reuniões bilaterais com os chefes de Estado da Malásia, Nigéria, Paquistão e Turquia durante a reunião.O D8 surgiu em 15 de junho de 1997, em Istambul, como um fórum para promover a cooperação entre os Estados-membros, que representam 14% da população mundial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.