Teerã contém manifestações e prende 91

TEERÃ

, O Estado de S.Paulo

14 de junho de 2010 | 00h00

Autoridades iranianas detiveram 91 pessoas no sábado, durante o tenso aniversário da polêmica reeleição do presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, afirmou ontem o chefe da Polícia Nacional, Hossein Sajadinia. O número divulgado pelo policial é dez vezes menor do que o denunciado pela oposição reformista em sites da internet.

O governador da Província de Teerã, Morteza Tamadon, assinalou que entre os detidos há um grupo de "munafigin" (hipócritas, em farsi), referindo-se à oposição armada no exílio e em particular ao grupo Mujahedin-e Khalq (Combatentes do Povo).

Desafiando a enorme mobilização policial promovida pelo governo, diversos grupos tentaram protestar em diversos locais de Teerã e outras grandes cidades, como Isfahan e Mashhad.

Na capital, foram registrados vários confrontos, nos quais se efetuaram disparos para o ar, em áreas do centro e vizinhas da Universidade de Teerã, onde grupos de estudantes se mantiveram concentrados.

Mais tensão. O Crescente Vermelho (equivalente islâmico da Cruz Vermelha) iraniano anunciou ontem já ter prontos para a partida dois navios carregados com ajuda humanitária destinada à Faixa de Gaza. As autoridades iranianas prometem assegurar a chegada dos navios à região, sob bloqueio israelense desde 2007. Há duas semanas, Israel ? que ontem reiterou que não levantará o cerco a Gaza ? abordou um navio de uma flotilha que partiu da Turquia, num incidente que resultou na morte de nove ativistas.

Ao mesmo tempo, o Irã afirmou no fim de semana que anunciará "em breve" novos avanços em seu programa nuclear, em desafio ao Conselho de Segurança da ONU, que aprovou novas sanções ao país.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.