Teerã demite 4 na Inteligência

O presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, ampliou ontem seu controle sobre o poderoso serviço de inteligência do Irã e demitiu quatro funcionários de alto escalão que desafiaram a repressão aos protestos que ocorreram após a eleição de 12 de junho. As demissões no Ministério de Inteligência aprofundaram as divisões entre os conservadores por causa das táticas políticas de Ahmadinejad e a repressão à oposição reformista. Mas elas devem fortalecer os aliados do presidente na Guarda Revolucionária, que lideraram os ataques contra os manifestantes e prenderam os que qualificaram as eleições de fraudulentas.Vários funcionários, até mesmo na polícia e no Judiciário, denunciaram abusos e pediram investigações sobre as mortes e as supostas torturas. O líder opositor Mehdi Karroubi, um dos dois candidatos reformistas derrotados nas eleições, disse ter recebido informações de ex-comandantes militares e outros funcionários de que manifestantes presos - mulheres e rapazes - foram violentamente estuprados na prisão. Ele pediu uma investigação e disse que se tais crimes forem comprovados, "desgraçarão" o sistema de governo islâmico do Irã.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.