Teerã diz que Londres não violará mais águas iranianas

Londres se comprometeu a evitar "novas violações" das águas territoriais iranianas em carta enviada à Embaixada de Teerã e afirmou que não perseguia "nenhuma intenção hostil" com a ação de seus 15 militares detidos, afirmou neste domingo o porta-voz de Exteriores do Irã, Mohammad Ali Hosseini."Uma carta nos foi transmitida pelas embaixadas dos dois países, que mencionava que os britânicos não perseguiam intenções hostis e que evitariam este tipo de medidas no futuro", disse Hosseini, citado pelos meios de comunicação iranianos, em referência aos contatos que permitiram a libertação dos militares.O porta-voz negou que o Papa Bento XVI tenha enviado uma carta ao líder supremo iraniano, Ali Khamenei, para pedir a libertação dos militares britânicos, como anunciou no sábado o diretor do Escritório de Imprensa do Vaticano, Federico Lombardi.Além disso, Hosseini negou que alguma delegação de Londres tenha ido a Teerã para negociar a libertação dos detidos e negou qualquer relação desta com a libertação, na terça-feira, do diplomata iraniano Jalal Sharafi, seqüestrado no Iraque em 4 de fevereiro.Hosseini assinalou que representantes da Cruz Vermelha internacional visitaram pela segunda vez os cinco funcionários da Embaixada iraniana detidos pelos Estados Unidos em Erbil, a capital do Curdistão iraquiano.No entanto, Hosseini desmentiu as informações que indicavam que um membro da Embaixada iraniana em Bagdá já teria mantido um encontro com os cinco detidos.O porta-voz qualificou de "história midiática" as informações sobre um possível ataque de Israel e Estados Unidos às instalações nucleares iranianas e disse que os próprios oficiais americanos ressaltaram que não prevêem operações militares."Nossas tropas estão completamente atentas e previram todas as medidas necessárias de dissuasão e defesa, mas, mesmo assim, não estão preocupadas", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.