Teerã e AIEA negociam futuro do programa nuclear iraniano

Chefe da agência atômica da ONU chega ao Irã para tentar acordo que permita inspeções às instalações do país

TEERÃ, O Estado de S.Paulo

22 Maio 2012 | 03h07

O diretor da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), o japonês Yukiya Amano, chegou ontem a Teerã e se reuniu com autoridades iranianas para discutir o programa nuclear do país. Foi a primeira visita de Amano ao Irã desde que ele assumiu a AIEA, em 2009, o que aumentou os boatos de um acordo que permita a inspeção de instalações iranianas.

Poucos diplomatas e analistas, no entanto, acreditam que isso seja suficiente para que os EUA e seus aliados, principalmente Israel, desistam das sanções contra Teerã. Há quatro anos, o Irã dificulta o acesso de monitores da AIEA a suas instalações nucleares. Por isso, americanos e israelenses não descartam a possibilidade de uma ação militar contra os iranianos.

As primeiras reações sobre a visita foram divulgadas pela televisão estatal iraniana. As negociações, de acordo com Said Jalili, negociador nuclear iraniano, foram "muito úteis", "intensas" e se desenvolveram em uma "boa atmosfera".

Amano, segundo a mídia local, teria declarado que "os avanços nas discussões terão um efeito positivo nas negociações entre o Irã e o chamado grupo P5+1 (EUA, Grã-Bretanha, Rússia, França, China e Alemanha), previstas para começar amanhã em Bagdá.

Determinação. O primeiro-ministro israelense, Binyamin Netanyahu, afirmou ontem que o Irã busca obter armas nucleares para destruir Israel e as potências ocidentais não deveriam fazer nenhuma concessão a Teerã.

"O Irã quer destruir Israel e está desenvolvendo armas nucleares para atingir esse fim", disse o premiê israelense. "Contra essa intenção, as grandes potências mundiais deveriam demonstrar determinação e não fraqueza. Elas não devem fazer nenhuma concessão ao Irã." / REUTERS, AFP e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.