Presidência do Irã
Presidência do Irã

Teerã fala em troca de petroleiros apreendidos com Reino Unido

Empresa proprietária do navio britânico Stena Impero diz que espera liberação após conversa com tripulação

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de julho de 2019 | 22h02

TEERÃ - O governo do Irã insinuou nesta quarta-feira que estaria aberto a uma troca com o Reino Unido de petroleiros interceptados. A empresa proprietária de uma embarcação de bandeira britânica confiscada pelas autoridades iranianas disse que espera ter progressos após conversar com a tripulação do navio.

Região estratégica para o abastecimento mundial de petróleo, o Golfo Pérsico está passando por um novo período de turbulência. O Stena Impero, um navio sueco com bandeira britânica, foi interceptado 15 dias depois de o petroleiro iraniano Grace 1 ter sido apreendido em Gibraltar pelas autoridades do Reino Unido. “Não queremos tensões com alguns países europeus”, disse ontem o presidente do Irã, Hassan Rohani, durante reunião do conselho de ministros.

As declarações foram feitas após a empresa sueca Stena Bulk, proprietária da embarcação apreendida na sexta-feira, confirmar que estabeleceu uma comunicação direta com a tripulação do navio. “O capitão disse que todos estavam seguros graças a uma boa cooperação com pessoal iraniano (militar) a bordo”, informou Erik Hannel, diretor da empresa.

“Apreciamos este progresso”, afirmou, para em seguida acrescentar que é “um primeiro sinal de que em breve o petroleiro será liberado pelas autoridades iranianas.

Acusado de não cumprimento do código marítimo internacional, o Stena Impero e sua tripulação permanecem ainda retidos no Porto de Bandar Abas, no sul do Irã. A apreensão é “uma medida legal” necessária para “garantir a segurança regional”, informou na segunda-feira o porta-voz do governo iraniano, Ali Rabi.

A crise entre Teerã e Londres ocorre em meio ao aumento de tensão entre o Irã e os EUA, após o presidente Donald Trump abandonar, no ano passado, o acordo nuclear assinado em Viena, em 2015. Desde maio, ataques a navios no Golfo Pérsico – atribuídos pelo governo americano aos iranianos – e a destruição de drones aumentaram ainda mais a tensão. 

Negociação.

O presidente iraniano declarou ontem que está preparado para realizar “negociações justas e legítimas” a respeito do acordo nuclear, mas garantiu que não “se renderá em nome do diálogo”. “Se a outra parte tomar medidas equilibradas, e isso levar a um cessar-fogo na guerra econômica, se criará uma oportunidade para que cheguemos a uma conclusão”, afirmou Rohani. / REUTERS, AFP e EFE 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.