Teerã quer promover ''cúpula de desarmamento''

Teerã quer promover ''cúpula de desarmamento''

Pressionado por conta das suspeitas de desenvolver um programa nuclear militar e ameaçado de sofrer novas sanções internacionais, o governo iraniano decidiu convocar uma Conferência sobre Desarmamento e Não-Proliferação, entre os dias 17 e 18 de abril em Teerã. Até mesmo para o compreensivo Itamaraty, a iniciativa foi avaliada como uma tentativa do Irã de aglutinar aliados e de se contrapor a duas reuniões multilaterais.

BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

26 de março de 2010 | 00h00

Em princípio, o Brasil deverá comparecer à conferência iraniana, representado pelo seu embaixador em Teerã, Antonio Salgado. De acordo com diplomatas brasileiros, tradicionalmente o Irã é enfático nas pressões por um desarmamento nuclear global mais efetivo. Agora, tentaria aproveitar-se desse discurso para angariar mais força e aliados em sua atuação na conferência de maio.

Em abril, a agenda internacional já está comprometida com a Cúpula de Segurança Nuclear, convocada pelo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, para os dias 12 e 13, em Washington. Essa reunião tratará, sobretudo, dos riscos de desvio da tecnologia e de material nuclear para organizações não vinculadas aos governos, especialmente a grupos terroristas.

Em maio, a Conferência de Revisão do Tratado de Não-Proliferação (TNP), nas Nações Unidas, mobilizará as diplomacias dos 189 países signatários entre os dias 3 e 28.

Entre os países envolvidos estará o Irã, possivelmente isolado. Um dos temas da conferência, que se dá a cada cinco anos, será a incoerência do próprio TNP.

O tratado permite ao Irã proteger seu programa nuclear com base no "direito inalienável" de desenvolvimento da tecnologia nuclear com "fins pacíficos" e se omite sobre as armas atômicas de Israel, que não é signatário. / D.C.M.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.