Teerã veta envio de condenada por adultério ao Brasil

Diplomata iraniano em Oslo diz que nenhuma nação deixaria 'um criminoso' ser levado para outro país

Jamil Chade CORRESPONDENTE / GENEBRA, O Estado de S.Paulo

11 de agosto de 2010 | 00h00

O governo do Irã rejeitou ontem formalmente a oferta do Brasil de receber a iraniana Sakineh Ashtiani como refugiada e confirmou que a execução não será mais por apedrejamento. A informação foi divulgada um dia depois de o Itamaraty ter admitido que levou a oferta de asilo à chancelaria iraniana e no mesmo dia em que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva firmou um decreto aprovando resolução da ONU com sanções contra o Irã.

Segundo o diplomata iraniano em Oslo, Mohammad Hosseini, a ideia de enviá-la ao Brasil está descartada. "Ela cometeu crimes e foi julgada por eles. Não faz sentido enviar um cidadão criminoso para que tenha liberdade em outro país", disse Hosseini. "O Irã deve recusar a oferta do Brasil, já que a pessoa envolvida cometeu um crime, e um criminoso não pode ser mandado para outro país", afirmou. "Ela deve encarar as consequências legais dos atos que cometeu. Qualquer pessoa que tire a vida de alguém precisa entender que há consequências. Não faz sentido aceitar, pois isso não poderia ocorrer em nenhum outro país."

Inicialmente, informou-se que Sakineh tinha sido condenada à morte por apedrejamento por adultério. Mas, após pressões da comunidade internacionais, Teerã informou que ela foi condenada pelo assassinato do marido.

Agora, o governo prevê enforcar Sakineh, a não ser que a família do marido a perdoe. A família já perdoou um homem acusado de ter participado do assassinato. Se o perdão for dado, Sakineh apenas ficará presa.

Tanto a iraniana quanto o advogado dela, Mohammad Mostafaei - que recebeu asilo na Noruega -, alertam que Teerã simplesmente mudou a condenação para justificar a execução.

Ontem, Teerã confiscou computadores e arquivos de dezenas de pessoas do escritório de Mostafaei. A Justiça iraniana acusou o advogado de ser um "fraudador" . Segundo o procurador-geral do Irã, Jafar Dowlatabadi, Mostafaei fugiu - para a Turquia - para não ser preso e processado por crimes financeiros, e não por questões de direitos humanos. O advogado nega a acusação e diz que Teerã quer silenciá-lo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.