Temendo enchentes, China tira 70 mil pessoas de áreas d tremor

A China retirou mais de 70 milpessoas da região do epicentro do terremoto que ocorreu no mêspassado, para evitar mais mortes por deslizamentos de terradurante a temporada anual de enchentes. A chuva e as enchentes, concentradas no sul do país, áreaamplamente industrializada, mataram pelo menos 176 pessoas edeixaram mais 52 desaparecidas neste ano, enquanto asautoridades têm dificuldades para abrigar milhões de pessoasdesabrigadas pelo tremor de magnitude 7,9 que atingiu aprovíncia de Sichuan no dia 12 de maio. As autoridades da região de Aba retiraram 72 mil pessoasque viviam em "terreno altamente perigoso" no condado deWenchuan, o epicentro do terremoto, e as levaram a locais maisseguros, longe das chuvas, na noite de quarta-feira, informou aagência de notícias Xinhua na quinta-feira. "A realocação em massa, que durou três dias, foi concluídaàs 8h, apenas duas horas antes de as fortes chuvas chegarem aocondado", disseram autoridades do setor de prevenção dedesastres, segundo a Xinhua. A agência não explicou, porém, o motivo por que a área jádevastada ainda tem tantas pessoas vivendo em barracas oucasas, nem disse para onde elas seriam levadas. As autoridades já começaram a retirar quase 40 milmoradores de outras partes da região no domingo, disse areportagem, sem dar mais detalhes. A China sofre com enchentes, secas e outros desatres em seuenorme território todos os anos. A sede do departamento estatalde Controle de Enchentes e Ajuda informou que, até agora, onúmero de mortos é bem menor do que o do mesmo período dosúltimos anos. O número de mortos na temporada de chuvas chinesa, queforçou a retirada de cerca de 1,66 milhão de pessoas edanificou ou destruiu plantações, subiu para pelo menos 176pessoas na quinta-feira, a apenas 50 dias dos Jogos Olímpicosde Pequim.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.