Temer diz não acreditar em sanções contra o Paraguai

O vice-presidente da República, Michel Temer, disse nesta quinta-feira não acreditar que os países do Mercosul aplicarão punições econômicas contra o Paraguai por conta do impeachment do presidente Fernando Lugo, na última sexta-feira. "Não creio que venham sanções de natureza econômica", disse Temer, após receber, em São Paulo, homenagem da Associação Brasileira da Indústria Gráfica (Abigraf) em que recebeu o título de "Personalidade do Ano".

DAIENE CARDOSO, Agência Estado

28 de junho de 2012 | 14h32

Temer evitou classificar como "golpe" a saída de Lugo e lembrou que a decisão do Legislativo paraguaio foi confirmada pelo Judiciário. No entanto, ele criticou a celeridade do processo no país vizinho. "O que se critica, e isso é criticável, foi a rapidez com que se deu o processo", observou.

O vice-presidente lembrou que a presidente Dilma Rousseff tem afirmado que não gostaria de impor sanções econômicas ao Paraguai porque a medida pode "castigar" a população local.

Temer assume a Presidência interinamente hoje à noite, em razão da viagem da presidente Dilma à Argentina, onde participará do encontro do Mercosul, a partir de amanhã, para discutir sanções ao país vizinho.

Mais conteúdo sobre:
BrasilMercosulParaguai

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.