Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Temer diz que atentado na França reforçará laços entre países livres

Após o massacre em Nice, presidente do Brasil em exercício disse que era 'lamentável que no dia que eternizou a fraternidade como lema do povo francês um atentado destrua a vida de tantos cidadãos'

Carla Araújo, O Estado de S.Paulo

15 de julho de 2016 | 09h50

BRASÍLIA - O presidente do Brasil em exercício, Michel Temer, divulgou nesta sexta-feira, 15, uma nota oficial em solidariedade ao povo francês na qual repudia o atentado durante a Festa Nacional de 14 de Julho em Nice, no sul da França, que deixou mais de 80 mortos, e classificou o ato como “injustificada intolerância”, ainda mais no momento em que eram celebrados “os mais elevados valores universais”, referindo-se a liberdade, igualdade e fraternidade.

“Os assassinos não conseguirão seu intento. Muito ao contrário, apenas reforçarão os laços entre países livres, que buscam a igualdade de condição entre as nações do mundo. E a fraternidade continuará a guiar nossos povos”, escreveu Temer. “Hoje, mais do que nunca, somos todos franceses. Irmãos na dor e solidariedade a todos os mortos e feridos, suas famílias e amigos”, completou.

Na quinta-feira, logo após a notícia do atentado, Temer já havia afirmado em um breve comunicado que era "lamentável que no dia que eternizou a fraternidade como lema do povo francês um atentado destrua a vida de tantos cidadãos".

Temer não comentou a possibilidade de atentados durante os Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro, e afirmou que o Brasil se une a todos que desejam e lutam pela paz e harmonia no mundo. “Estamos juntos contra a intolerância e a barbárie”, disse.

Na quarta-feira, foi revelado que o chefe da Direção de Informação Militar (DRM), um dos serviços secretos da França, o general Christophe Gomart, deu as declarações à Comissão Parlamentar de Inquérito que investigou os atentados de 13 de novembro em Paris e Saint-Denis.

Segundo as informações, o ataque seria cometido por um brasileiro em nome do grupo jihadista Estado Islâmico e teria como o alvo a delegação francesa. A declaração foi feita em 26 de maio aos deputados, mas veio a público na terça-feira com a publicação de um relatório no site do Legislativo.

Confira a íntegra da nota:

Nota oficial em solidariedade ao povo francês

O povo francês foi vítima da mais injustificada intolerância neste 14 de julho. É abjeta e ultrajante a ação perpetrada contra inocentes que celebravam os mais elevados valores universais: a liberdade dos povos; a igualdade entre os cidadãos e a fraternidade como elemento das relações entre seres humanos. Os assassinos não conseguirão seu intento. Muito ao contrário, apenas reforçarão os laços entre países livres, que buscam a igualdade de condição entre as nações do mundo. E a fraternidade continuará  a guiar nossos povos. Hoje, mais do que nunca,  somos todos franceses. Irmãos na dor e solidariedade a todos os mortos e feridos, suas famílias e amigos. O Brasil se une a todos que desejam e lutam pela paz e harmonia no mundo. Estamos juntos contra a intolerância e a barbárie.

Michel Temer

Presidente da República em exercício

Tudo o que sabemos sobre:
FrançaNiceCaminhãoTerrorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.