José Méndez / EFE
José Méndez / EFE

Temer diz que Brasil não pode admitir morte de brasileira na Nicarágua sem tomar providências

Presidente afirmou que medidas estão sendo avaliadas para solucionar o caso ‘o mais rápido possível’

Felipe Frazão e Célia Froufe, enviados especiais a Joanesburgo, O Estado de S.Paulo

26 Julho 2018 | 06h16

JOANESBURGO, ÁFRICA DO SUL - O presidente do Brasil, Michel Temer, disse nesta quinta-feira, 26, que o País não pode admitir a morte da estudante Raynéia Gabrielle Lima, de 31 anos, sem tomar providências a respeito, mas não citou possíveis medidas que podem ser adotadas por Brasília.

Raynéia vivia na Nicarágua e foi assassinada a tiros em circunstâncias ainda não esclarecidas. A pernambucana cursava medicina na Universidade Americana em Manágua, capital do país.

“Não é possível que nós admitamos simplesmente a lamentável morte de uma brasileira, sem que tomemos providências. Providências estão sendo tomadas diariamente”, disse Temer após reunião com o presidente da China, Xi Jinping, pouco antes da abertura oficial da 10.ª Cúpula dos Brics, na África do Sul. “Estamos tomando todas as providências anunciadas pelo nosso embaixador e ministro das Relações Exteriores para solucionar (o caso) o mais rápido possível.”

O Itamaraty cobrou explicações do presidente sandinista Daniel Ortega, alvo de uma série de protestos nos últimos meses. Os atos têm sido reprimidos por forças de segurança leais ao governo, entre oficiais e paramilitares, além de partidários do mandatário.

Embora o governo nicaraguense não divulgue dados oficiais, entidades de Direitos Humanos do país calculam que mais de 300 pessoas já morreram no levante de oposicionistas, contrários à reforma da previdência promovida por Ortega – o estopim das manifestações.

Embaixador convocado

Além de pedir explicações à Nicarágua, o Ministério das Relações Exteriores convocou para consultas o embaixador brasileiro no país caribenho, Luís Cláudio Villafañe Gomez Santos.

“Como manifestação de sua profunda indignação com a trágica morte da estudante brasileira Raynéia Gabrielle Lima, em Manágua, e para que ele possa informar pessoalmente sobre o ocorrido e sobre a situação naquele país, o governo brasileiro chamou para consultas o embaixador do Brasil na Nicarágua, Luís Cláudio Villafañe Gomez Santos”, disse o Itamaraty em nota.

O Ministério também condenou “o aprofundamento da repressão, o uso desproporcional e letal da força e o emprego de grupos paramilitares em operações coordenadas pelas equipes de segurança”, e repudiou “a perseguição de manifestantes, estudantes e defensores dos direitos humanos”.

“O governo brasileiro volta a instar o governo da Nicarágua a garantir o exercício dos direitos individuais e das liberdades públicas. O governo brasileiro exorta as autoridades nicaraguenses a enviarem todos os esforços necessários para identificar e punir os responsáveis pelo ato criminoso”, afirmou o Itamaraty em outro comunicado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.