Tempestade Chris deve chegar a Cuba neste final de semana

A tempestade Chris mantém ventos máximossustentados de 65 km/h e a expectativa é de que no próximo fim de semana ela vá para Cuba. Segundo o boletim da zero hora (de Brasília), desta sexta-feira, do Centro Nacional de Furacões (NHC), o olho da tempestade tropical estava a 20,8 graus de latitude norte e 69,3 graus de longitude oeste, cerca de 200 quilômetros a leste-sudeste da ilha Grand Turk. Chris, a terceira tempestade da temporada de furacões do Atlântico Norte, se desloca para oeste a cerca de 19 km/h. O NHC prevê que a tempestade siga a trajetória e mantenha sua força atual comventos de 65 km/h, com rajadas mais fortes, nas próximas 24 horas. O governo das Bahamas mudou o alerta de tempestade tropical para um aviso de tempestade tropical para Turcos e Caicos e para o sudeste do arquipélago, incluindo Acklins, Crooked Island, as Inaguas, Mayaguana e as ilhas Ragged. Também emitiu uma alerta de tempestade tropical para Long Island e as Exumas, no centro das Bahamas. Um aviso de tempestade tropical foi emitido para a costa norte do Haiti, até a fronteira com a República Dominicana. Além disso, continua o alerta de tempestade tropical para a costanorte da República Dominicana, da fronteira com o Haiti até Samana. Os ventos fortes da tempestade tropical se estendem até 110 quilômetros do centro. Alguns modelos computadorizados do NHC prevêem que Chris chegue a Cuba no fim de semana. Parte do sul do estado da Flórida (EUA) está incluída no cone de probabilidades do sistema. Na atual temporada, que começou dia 1º de junho e vai até 30 de novembro, surgiram três tempestades tropicais: Alberto, Beryl e Chris, cinco a menos que no mesmo período da temporada passada, que ficou nos anais da meteorologia como a mais intensa e destrutiva já registrada. Os meteorologistas prevêem para este ano 15 tempestades tropicais, das quais sete podem se transformar em furacões. O ano passado registrou uma temporada recorde, com a formação de 28 tempestades tropicais e 15 furacões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.