Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Tempestade de areia atinge China e ameaça Coreia

Fenômeno causou atrasos em voos no aeroporto de Pequim e provocou alerta em Seul

Agência Estado,

20 de março de 2010 | 12h02

A capital chinesa começou o dia com o céu tingido de laranja, em virtude da mais forte tempestade de areia que atingiu a região norte do país neste ano. O fenômeno causou atrasos em voos no aeroporto de Pequim e provocou alerta em Seul, na Coreia do Sul.

O escritório para monitoramento do clima, em Pequim, classificou a qualidade do ar em um raro nível de periculosidade. A recomendação é para que as pessoas cubram o rosto quando estiverem em ambientes externos e para que mantenham portas e janelas fechadas.

Os desertos chineses agora cobrem um terço do país, em virtude do desflorestamento, da expansão urbana desordenada e das secas. A movimentação de areia tem levado a um aumento agudo das tempestades, sendo que os grãos podem se espalhar por amplas extensões, chegando até mesmo aos Estados Unidos.

A Academia de Ciências da China calcula que o número de tempestades de areia aumentou em seis vezes nos últimos cinquenta anos, para 24 por ano. A mais recente tempestade afetou as regiões de Xinjiang, a parte central da Mongólia e as províncias de Shanxi, Shaanxi e Hebei, no norte do país.

Na medida em que a tempestade se movia em direção ao sul, a agência nacional de clima da Coreia do Sul acionou o alerta amarelo para Seul e outras partes do país. Chun Youngsin, pesquisador da Administração Meteorológica Coreana, disse que a poeira amarela deveria chegar à península coreana hoje à tarde e seria a pior tempestade amarela do ano. Em 2006, uma tempestade de areia na China jogou cerca de 300 mil toneladas de areia na capital do país. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
tempestadeareiaPequimChinaCoreia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.