Tempestade de neve cancela voos e fecha escolas nos EUA

Governantes orientam população do nordeste americano a não sair de casa e autoridades da aviação sugerem a confirmação do horário de viagens; nevasca representa primeiro desafio do novo prefeito nova-iorquino, Bill de Blasio

Agência Estado

03 de janeiro de 2014 | 12h08

A forte nevasca que chegou na quinta-feira ao nordeste dos EUA provocou o cancelamento de 2,3 mil voos nesta sexta-feira, 3, o atraso de outros 3,3 mil, fechou estradas e paralisou aulas. Os governos de Nova York e New Jersey, região em que a sensação térmica chegou a -28ºC, decretaram emergência e pediram que seus moradores não saíssem de casa. Cerca de 100 milhões de habitantes foram afetados em 22 Estados.

A primeira grande tempestade de inverno em 2014 levou frio e vento a uma faixa que vai do Vale do Mississippi à costa atlântica, com quase 60 centímetros de neve em algumas áreas de Massachusetts. "As pessoas devem considerar seriamente a possibilidade de permanecer em suas casas", afirmou o governador de Nova York, Andrew Cuomo.

Algumas das principais estradas do Estado de Nova York foram fechadas à noite e trens urbanos nas proximidades da cidade operavam com escala reduzida. Equipes fazem buscas nas ruas de Nova York e de Boston à procura de sem-teto.

O governador de New Jersey, Chris Christie, ordenou que funcionários públicos não essenciais permaneçam em casa. Escritórios do governo e tribunais ficaram fechados. Repartições públicas também não abriram as portas em Massachusetts. O serviço de meteorologia emitiu um alerta de nevasca para Cape Cod, para áreas costeiras ao norte e ao sul de Boston, para partes do Maine e para Long Island, onde pode haver 25 centímetros de neve e ventos de até 72 km/h.

A expectativa para Nova York era de 20 centímetros de neve. Na Filadélfia, 18 centímetros.

A nevasca representa o primeiro grande desafio do novo prefeito de Nova York, Bill de Blasio. Há décadas, a carreira de políticos sofre danos com as nevascas e o próprio De Blasio era um grande crítico de seus antecessores republicanos. "Esta é a primeira de muitas vezes que eu direi: ‘Por favor, fiquem em casa. Não fiquem nos seus carros. Se vocês não precisarem sair, por favor, não saiam", disse De Blasio após a sua primeira reunião de gestão de emergências. Moradores de Boston também enfrentaram mais de 30 centímetros de neve acumulada e o aeroporto de Logan informou que até um quarto dos voos foram cancelados na tarde e na noite de quinta-feira.

Ajuda. Nova York deve mobilizar um pequeno exército para enfrentar a tempestade: 1.700 máquinas limpadoras de neve e outros 450 veículos para espalhar sal no centro urbano que pode registrar um colapso das comunicações. No total, a tempestade afetou cerca de 100 milhões de pessoas entre o Maine e o Mississipi.

Em São Paulo, quatro voos vindos da região afetada pela tempestade atrasaram durante o dia, segundo a GRU Airport, concessionária que administra o Aeroporto Internacional de Guarulhos. Quatro voos que partiriam do terminal na noite de sexta-feira para Nova York, Newark e Detroit tiveram a saída adiada para a madrugada e a manhã do sábado, 4. Autoridades americanas orientam os turistas a confirmar com antecedência o horário de seus voos com as companhias aéreas. / AP, EFE e REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
EUAnevascavoosclima

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.