Tempestade ´Deby´ abre temporada de risco de furacões

Formou-se nesta segunda-feira, 21, a quarta depressão tropical da temporada de furacões na bacia atlântica, e as ilhas de Cabo Verde já estão sob alerta, informou o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos (NHC), com sede em Miami.O sistema possui ventos máximos sustentados de 55 km/h, com rajadas mais fortes, e pode se transformar na tempestade tropical Debby.Uma depressão tropical se transforma em tempestade quando seus ventos alcançam os 63 km/h.O Governo de Cabo Verde emitiu um "aviso" de tempestade tropical, o que significa que se espera a passagem do sistema em um prazo de 24 horas.Às 18h (de Brasília) o centro da depressão estava próximo à latitude 12,5 graus norte e a longitude 21,5 oeste, 405 quilômetros ao sudeste do extremo sul de Cabo Verde.A tempestade se desloca em direção ao oeste-noroeste a 19 km/h e espera-se que gire em direção ao noroeste, com um aumento em sua velocidade.Caso mantenha esta trajetória, a tempestade passará muito próximo ao sul de Cabo Verde, previu o NHC.Esta temporada de furacões, que começou em 1 de junho e tem fim previsto para 30 de novembro, deve ser menos movimentada do que a de 2005.Segundo William Gray, professor de Ciências Atmosféricas da Universidade do Colorado (EUA), espera-se para este ano a formação de sete furacões, ao invés de nove, como se previa no início da temporada.Também caiu de 17 para 15 o número de tempestades tropicais previstas no Atlântico. Espera-se ainda que três furacões tenham categoria maior (três, quatro ou cinco na escala de intensidade Saffir-Simpson, que vai de um a cinco).Segundo a Administração Nacional de Oceanos e Atmosfera (NOAA) esta temporada pode ter de doze e quinze tempestades tropicais, e entre sete e nove furacões, dos quais três "podem ser de grande potência".Até o momento se formaram três tempestades tropicais: Alberto, Beryl e Chris.A temporada de furacões de 2005 foi a mais intensa já registrada, com a formação de 28 tempestades tropicais e 15 furacões, dos quais sete alcançaram categoria maior.Só o furacão Katrina deixou 1.833 mortos e perdas econômicas avaliadas em cerca de US$ 81 bilhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.