REUTERS/Jonathan Bachman
REUTERS/Jonathan Bachman

Tempestade Harvey afetou 340 brasileiros nos EUA

Consulado brasileiro continua fechado e três funcionários foram retirados de suas residências.

Jamil Chade, CORRESPONDENTE/ GENEBRA, O Estado de S.Paulo

01 Setembro 2017 | 13h53

GENEBRA – Cerca de 340 brasileiros foram afetados diretamente pela tempestade tropical Harvey, com parte deles obrigados a ser retirados de suas casas nos EUA ou se mudar para andares mais altos da mesma residência para fugir das águas. Os números foram passados ao Estado pelo consulado brasileiro no Texas e foram calculados pela entidade Brazilian Foundation, que tem agido de forma importante para ajudar vítimas. 

O consulado brasileiro na região ainda continua fechado, já que as águas danificaram o sistema de elevadores do prédio e de aparelhos de ar condicionado. Três dos funcionários locais do consulado também foram obrigados a ser retirados de suas residências.

Das cerca de 80 famílias brasileiras afetadas, algumas chegaram a ser de fato removidas de onde viviam. Outras apenas tiveram de passar a ocupar pisos mais elevados dentro das mesmas casas, já que a água, apesar de atingir os imoveis, não teria registrado uma elevação que ameaçasse as famílias. 

As inundações do Texas, as maiores na história dos EUA, obrigaram a retirada de mais de 30 mil pessoas e quase 40 mortos até o momento, mas ainda existe a possibilidade que esse número aumente após o nível da água abaixar. 

O consulado do Brasil não tem qualquer informação sobre desaparecidos ou mortos de nacionalidade brasileira. Na quinta-feira, o vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, disse que 311 mil vítimas da tempestade tropical Harvey no Estado do Texas já solicitaram ajuda ao governo.

A inundação provocada pela tempestade tropical Harvey, que se move ao longo da costa do Texas em direção à Luisiana, atinge hoje um território equivalente ao da Espanha.   

Nesta sexta-feira, um painel de especialistas reunidos pela Organização Meteorológica Mundial indicou que não se pode concluir ainda que mudanças climáticas são responsáveis pelo surgimento do ciclone em si no Texas. Mas apontam que o volume de chuvas estaria ligado ao impacto das mudanças climáticas. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.