Tempestade Irene ganha força de furacão e segue rumo ao Haiti

Segundo Centro Nacional de Furacões em Miami, país que ainda sofre consequências de terremoto de 2010 está no caminho do furacão.

BBC Brasil, BBC

22 de agosto de 2011 | 09h48

A tempestade tropical Irene, que está na região de Porto Rico, ganhou força nesta segunda-feira e foi elevada à categoria de furacão, o primeiro da temporada no Oceano Atlântico.

O Centro Nacional de Furacões, em Miami, nos Estados Unidos, informou que o Haiti está no caminho que foi projetado para o furacão.

Depois do Haiti, o furacão Irene deve atingir a República Dominicana e também poderá chegar à Flórida e a outros Estados americanos, como a Geórgia e Carolina do Norte e do Sul.

O Irene tem ventos de velocidade de até 120 quilômetros por hora, segundo o Centro Nacional de Furacões nos Estados Unidos, o que o coloca acima do índice oficial de furacões.

Na manhã desta segunda-feira, o Irene estava a cerca de 40 quilômetros a oeste de San Juan, Porto Rico, e se movimentando do oeste para noroeste a cerca de 20 quilômetros por hora.

Haiti

No Haiti, onde o furacão Irene deve chegar, centenas de milhares de pessoas no país ainda estão vivendo em barracas desde o terremoto de 2010.

O país é particularmente vulnerável a chuvas pesadas que devem acompanhar o Irene.

Em junho mais de 20 pessoas foram mortas por enchentes e deslizamentos de terras.

O Haiti também está tentando se recuperar do terremoto devastador que atingiu o país em janeiro de 2010. Segundo autoridades, o tremor matou cerca de 230 mil pessoas e deixou mais de 1 milhão de pessoas desabrigadas.

De acordo com a Organização Internacional para Imigração, cerca de 634 mil haitianos ainda vivem em acampamentos. Mas, outras estimativas afirmam que 375 mil pessoas ainda permanecem nestes acampamentos.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
haitifuracãoirene

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.