EFE/Francisca Meza
EFE/Francisca Meza

Tempestade Max se transforma em furacão e ameaça provocar fortes chuvas no sul do México

Ainda de categoria 1, o fenômeno registrou ventos máximos de 130 km/h em Acapulco; furacão José foi rebaixado a tempestade tropical, mas deve ganhar força novamente até o fim de semana

O Estado de S.Paulo

14 Setembro 2017 | 15h19

CIDADE DO MÉXICO - A tempestade tropical Max se transformou em furacão nesta quinta-feira, 14, na costa do México no oceano Pacífico e ameaça provocar chuvas torrenciais no Estado de Oaxaca, informou o Centro Nacional de Furacões (NHC) dos EUA.

A tempestade estava localizada cerca de 170 quilômetros ao sudoeste de Acapulco, segundo o centro sediado em Miami. Fortes chuvas causadas pelo fenômeno podem desencadear enchentes e deslizamentos de terra potencialmente letais, segundo o NHC.

Moradores de Acapulco já tomavam precauções diante da chegada da tempestade. Pescadores e outros navegantes retiravam seus barcos do mar e os colocavam em um lugar seguro nas praias da baía de Acapulco, conhecida como a zona hoteleira antiga, que durante a temporada de férias é visitada principalmente por turistas do país.

"Neste momento, (Max) está radicado fundamentalmente em Acapulco e arredores", disse o governador de Guerrero, Héctor Astudillo, em entrevista coletiva televisionada.

Às 12h00 (em Brasília), Max, de categoria 1 de 5 na escala Saffir-Simpson, localizava-se a 65 quilômetros ao sul de Acapulco, no Estado de Guerrero, com ventos máximos de 130 km/h, enquanto se deslocava para o leste a 11 km/h, segundo o NHC.

Riscos

O Estado de Oaxaca foi atingido há uma semana por um forte terremoto de 8,2 graus de magnitude, que deixou dezenas de mortos. O tremor também atingiu os Estados de Chiapas e Tabasco, mas Oaxaca foi o mais afetado, segundo as autoridades.

"Estas chuvas torrenciais poderiam causar inundações repentinas e perigosos deslizamentos de terra", advertiu o relatório meteorológico do NHC.

A Comissão Nacional de Água (Conagua) do México disse, por sua vez, que são esperadas chuvas e rajadas de vento de entre 70 e 80 km/h nos Estados de Michoacán e Colima, que tem a costa no Pacífico, além de grandes ondas.

A companhia estatal de eletricidade CFE disse que iniciou um plano de contingência diante da passagem de Max, disponibilizando centenas de funcionários e equipes de emergência para resolver eventuais problemas, principalmente em Guerrero.

O NHC também relatou que outra tempestade tropical, Norma, se formou no Pacífico e se localizava a 635 quilômetros ao sul de Cabo São Lucas, no noroeste do México. Na semana passada, o furacão Katia atingiu a costa do México no Atlântico e depois se dissipou no centro do país sem causar maiores danos.

No início de setembro, a tempestade tropical Lidia deixou sete mortos depois de sua passagem pelo Estado de Baixa Califórnia do Sul, no noroeste do México. Por sua localização e ampla faixa costeira, no Pacífico e no Atlântico, o países é um dos mais vulneráveis aos furacões.

José

O furacão José foi rebaixado a tempestade tropical, mas deve ganhar força novamente até o fim de semana, disse o NHC.

Ele está a cerca de 840 quilômetros ao sudoeste das Bermudas com ventos máximos constantes de 110 km/h. “Algum ganho de força é previsto para começar na sexta-feira, e José provavelmente se tornará um furacão novamente até o fim de semana”, disse o centro. / REUTERS e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.