Tempestade solar pode afetar telecomunicações

As telecomunicações poderão ser brevemente afetadas e alguns trechos do céu noturno do hemisfério norte apresentarão, em alguns momentos, coloração avermelhada e esverdeada enquanto violentas tempestades ocorrem no sol, disseram cientistas.Isto por causa de duas grandes erupções detectadas ontem (30) na área da mancha solar Noaa 9393, a maior descoberta na superfície da estrela em mais de uma década, que é 13 maior do que a Terra. Uma das erupções foi tão intensa - equivalente à energia de uma erupção vulcânica multiplicada por 10 milhões - que lançou ao espaço uma nuvem de gás superquente, cuja chegada à Terra deve ocorrer entre sábado e Domingo, e provocar uma espécie de "tempestade geomagnética".Alguns astrônomos acreditam que a erupção pode ser o prelúdio para explosões maiores, com efeitos desastrosos para as redes de rádio e de transmissão de energia, além de causar interferências em satélites. Os cientistas também acreditam que a tempestade poderá causar o surgimento de espetaculares auroras polares em latitudes mais baixas do que as normais.Os cientistas estimam que a tempestade deste fim de semana ficará entre G1 (suave) e G2 (moderada) na escala-padrão, que vai até G5. Segundo Peter Wenzel, chefe de sistema solar do European Space Research and Technology Centre, a população terrestre não corre riscos.Pico de atividade - Mais ou menos a cada onze anos o sol atinge um pico de atividade em que há um número muito maior de manchas solares em sua superfície. Segundo especialistas, este ano de 2001 corresponde a um desses ápices. A NOAA 9393 é tão grande que seria visível a olho nu - embora médicos digam que, em nenhuma circunstância, as pessoas devem olhar diretamente para o sol sem proteção.Explosões na superfície solar originam ondas de energia e radiação magnética que interferem com as telecomunicações e computadores na Terra. Em 1989, por exemplo, uma enorme mancha solar interferiu no campo magnético da Terra e interrompeu o fornecimento de energia no Canadá.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.